Marketing jurídico: um termo novo, que gera polêmicas e que ajuda diversos advogados a conquistarem clientes todos os meses por meio da internet. Mas, quando você pensa nesse temos certeza que vem na sua cabeça o Código de Ética da OAB. É claro que você vai se perguntar: “como assim marketing jurídico? Mas isso não é proibido pela OAB?”. E se você tem essa dúvida… que bom! Nós entraremos nessa discussão de conteúdo e em (muitas) outras agora.

Seja bem-vindo ao manual mais completo de marketing jurídico que você vai encontrar de forma gratuita na internet. Então, se você quer conquistar mais clientes na advocacia, sorria. Este é o lugar certo para conhecer tudo sobre o tema! Neste material, você aprenderá:

Caso preferir, você pode acessar este conteúdo em áudio:

Ou em vídeo:

O que é marketing jurídico? Entenda de uma vez por todas

Marketing jurídico é o nome dado à estratégia para a captação de clientes e para o fortalecimento de marca dos advogados e dos escritórios de advocacia. Por meio dela, você é capaz de definir quem são seus clientes ideais e como é possível ajudá-los a resolver problemas. A partir de estratégias bem definidas de marketing jurídico, você vai aumentar consideravelmente a sua clientela, trazendo um retorno positivo para o seu escritório, de forma a alavancar a sua carreira profissional. Essa é uma tendência que veio para ficar, principalmente no cenário da Advocacia 4.0, no qual os advogados e as advogadas precisam desenvolver novas capacidades de relacionamento e de trabalho.

Qual é a importância do marketing para advogados?

Conquiste mais clientes

A maior parte dos advogados consegue clientes por meio do “boca a boca”, por meio de networking e pela participação em eventos. A forma mais barata de marketing é a indicação do cliente, e a prova de um bom serviço é a indicação de uma pessoa para outra. Essas são maneiras extremamente funcionais para advogados. 

O problema é que o “boca a boca” pode não funcionar tão bem para os escritórios que, ainda, não possuem uma base sólida de clientes. Ou, até mesmo para escritórios consolidados, o foco exclusivo no “boca a boca” pode se tornar problemático se não for combinado com outra estratégia, uma vez que ele está deixando de explorar novos métodos que poderiam se tornar grandes oportunidades.

Assim, o marketing tem a capacidade de direcionar o seu escritório para um público específico, segmentado, de acordo com os seus objetivos.

Mas, atenção! Não deixe de lado as estratégias off-line. Participe de eventos, de congressos, de palestras e fortaleça o seu relacionamento com a imprensa para divulgar a sua marca fora da internet. A melhor ideia é combinar os ambientes off e on-line. Esteja onde o seu cliente está. O resultado dessa combinação é a captação de clientes que mais se aproximam do seu cliente ideal e, consequentemente, mais sucesso financeiro nos contratos fechados!

Melhoria no relacionamento

Se o seu objetivo central com o marketing não é a aquisição de mais clientes, não se preocupe. Outra forma de utilizar o marketing é para divulgar conteúdos de valor ao público, premiações recebidas pelos advogados e pelo escritório, eventos a serem realizados pelo escritório e afins (vale muito usar a criatividade!).

Essa estratégia de marketing digital proporcionará o aumento da credibilidade da sua marca e uma aproximação da marca aos clientes, que passarão a entender melhor a proposta de valor dos serviços jurídicos oferecidos e, ainda, se tornarão admiradores do trabalho.

Atingir metas e objetivos

Muita coisa mudou na forma de se exercer a advocacia e, aos poucos, a profissão vai deixando de ser tão engessada, limitando-se somente aos escritórios físicos tradicionais. Então, hoje já se fala e muito em inovação no direito. 

Além disso, com o surgimento da Internet, as relações interpessoais e os meios de comunicação se transformaram. O acesso à informação passou a ser, em grande parte, por meio da internet. Os jornais, a televisão e o rádio foram substituídos pelo Instagram, pelo Facebook, por sites de notícias… Hoje, um anúncio no Instagram pode ser mais efetivo em converter clientes, do que uma propaganda no horário nobre da TV Globo.

Portanto, investir em marketing jurídico é uma forma de alavancar os resultados que o seu escritório traçou, seja de mais clientes, do acompanhamento de casos de grande impacto ou de ganho de visibilidade.

Ameaças e oportunidades

Hoje, temos mais de 1 milhão de advogados no Brasil. Esse número assusta porque temos mais faculdades de direito que o mundo todo somado. Além disso, o cenário de pandemia da covid-19 fortaleceu muito as relações on-line. Isso não fez com que todas as pessoas deixassem de visitar escritórios físicos, mas os atendimentos virtuais ficaram mais comuns. Então, a soma desses fatores fez com que os advogados tivessem que assumir novas posturas. Aí entra o marketing jurídico como forma de aproveitar esse realidade.

Já sabemos que o mercado da advocacia está saturado — apesar de ter muitas oportunidades — e você certamente tem que lidar com uma grande concorrência. Mas, se você tiver uma estratégia sólida de marketing jurídico, a marca do escritório ou do advogado estará tão fixada na mente do público, que ele não hesitará em entrar em contato quando precisar de algum serviço jurídico.

Ainda há poucos escritórios que investem efetivamente em branding, razão pela qual pode ser uma vantagem competitiva utilizar o marketing para isso e sair na frente! É a oportunidade perfeita para você fortalecer e humanizar a sua marca e, por consequência, virar autoridade no seu nicho de mercado, fazer novos clientes e reforçar o relacionamento com os antigos,

Quais os limites para a publicidade no meio jurídico?

Muitos advogados se questionam se seria possível criar uma estratégia de marketing, de acordo com o Código de Ética da OAB. A resposta é: sim!

Muitas vezes, ficamos presos à crença de que advogados não podem divulgar, nem fazer qualquer tipo de publicidade em relação aos serviços jurídicos. No entanto, essa crença não é completamente verdadeira, porque não são todos os tipos de formas de aquisição de clientes que são proibidos pelo Código.

As disposições do Código de Ética vedam apenas a realização de algumas formas de marketing e publicidade, consideradas mais tradicionais, conforme disposto no arts. 28 a 34. Nesse sentido, são vedadas, por exemplo, a realização de anúncios de serviços via outdoor, a realização de programas de rádio e de televisão para promoção profissional.

Contudo, essas formas não são as únicas e nem mesmo as mais eficazes, especialmente no contexto da revolução digital 4.0 na qual vivemos.

Como fazer marketing jurídico e por onde começar?

Fixação de metas

Um bom investimento em marketing jurídico vai permitir que o seu escritório atinja metas de crescimento. Você já ouviu falar em Growth Hacking? Esse é um conceito que foi popularizado por Sean Ellis, um dos fundadores do Dropbox. Já o Legal Growth Hacking é um termo criado há pouco tempo com analogia aos Growth Hackers. A ideia de ambos os conceitos é utilizar dados, testes e tecnologia para alcançar objetivos, como otimizar a aquisição de clientes.

Como aumentar o tráfego de um site?

O que devo fazer para que os visitantes de um site se tornem clientes?

Como conseguir mais clientes pela indicação dos que já tenho?

Cada uma dessas perguntas, pode fazer com que surja uma estratégia diferente para adquirir clientes. Mas, antes de aprofundar nesse conceito, é preciso entender todas as formas de aquisição de clientes que existem.

O que é inbound marketing?

De forma resumida, o inbound marketing propõe a criação e o compartilhamento de conteúdo de valor para o público alvo. A sua vantagem é a diminuição no custo de aquisição do cliente, uma vez que se trata de uma forma de prospecção passiva, no qual o próprio cliente manifesta algum interesse pelos serviços do escritório.

Mas como funciona? É simples: se um escritório presta serviços para empresas de engenharia, por exemplo, sua equipe jurídica pode criar conteúdo de valor para esses engenheiros. Por exemplo: “direito trabalhista para empresas de engenharia”, “cuidados jurídicos que uma empresa de engenharia deve ter”, “como uma empresa de engenharia pode economizar quando resolver conflitos?”…

Com base nos conteúdos escritos, o público alvo aprende com aquele escritório e começa a enxergá-lo como uma autoridade no assunto. Mas, atenção, isso não significa que todas as empresas que acessarem o conteúdo se tornarão clientes. Entretanto, caso o conteúdo esteja realmente bom, certamente o escritório estará em contato com vários clientes em potencial. Dito isso, a estratégia reúne três principais pilares: SEO, marketing de conteúdo e estratégia em redes sociais. Essa é também uma maneira mais barata e mais eficaz de conseguir prospectar clientes a longo prazo.

O que é SEO?

O SEO (Search Engine Optimization) é a sigla para o algoritmo de buscas do Google.

Esse algoritmo é de extrema importância para o inbound marketing porque todas as pessoas pesquisam algo no Google diariamente. E isso inclui aquela empresa de engenharia mencionada anteriormente. Algumas questões são importantes para serem pontuadas quando o assunto é SEO:

Quais palavras eles digitam no Google?

Como criar um conteúdo que fique em primeiro lugar no Google para aquela palavra específica? Para ficar em primeiro lugar no Google, você deve escolher de forma adequada as palavras-chave e otimizar todo o texto para elas. Logo, se quiser entender mais detalhes sobre o SEO, o curso gratuito de Produção de Conteúdo para Web da Rock Content pode ser um bom caminho!

O que é o marketing de conteúdo?

Não existe inbound marketing sem marketing de conteúdo, porque toda a estratégia deve gerar valor para o público-alvo. Por isso, o inbound marketing é diferente do marketing tradicional.

No inbound marketing, pouco deve ser falado sobre o seu escritório. No entanto, deve-se ressaltar as dores e as necessidades do seu público-alvo. Portanto, a produção de conteúdo é a essência do inbound marketing.

O que são estratégias em redes sociais?

As redes sociais são canais para divulgação do conteúdo. Por isso, o escritório pode utilizar Facebook, Twitter, Linkedin, Instagram ou outra rede social para gerar valor para o público-alvo. No entanto, é importante entender quais desses canais seu público-alvo realmente está. Por exemplo: se o público buscado é de pessoas mais jovens, talvez o LinkedIn não seja o melhor canal para ser utilizado.

Além disso, é importante que a estratégia do escritório não se resuma às redes sociais. O objetivo do escritório não deve ser conseguir mais curtidas ou seguidores, mas conseguir mais clientes no final do mês. Por isso, é essencial integrar as redes sociais com estratégias no e-mail, no site, no blog e em outros canais próprios.

O que é outbound marketing?

O outbound marketing é um processo de prospecção ativa para abordar potenciais clientes que correspondem ao perfil de cliente ideal. E essa estratégia pode ser efetivada de várias formas distintas. Um exemplo é a abordagem de possíveis clientes via e-mail, LinkedIn ou telefone.

A maior vantagem da estratégia são os resultados a curto prazo e a maior desvantagem é um maior custo de aquisição de cliente, se comparado ao inbound marketing. Então, se utilizarmos o exemplo da empresa de engenharia, no caso do outbound marketing, o escritório faria uma lista de potenciais clientes e criaria uma estratégia de contato com eles. Essa estratégia pode ser realizada por meio do LinkedIn, do e-mail, do telefone ou presencial.

A princípio, você pode pensar que essa estratégia não funciona. Isso, principalmente, porque muitas empresas a executam de forma equivocada, como o caso das operadoras de telefone ou dos bancos.

Então, o princípio por trás do outbound marketing é utilizar uma abordagem consultiva, ou seja, entender se realmente aquele potencial cliente tem o problema que o seu escritório se propõe a resolver, e, além disso, se existe um interesse dele em se tornar um cliente.

Mídia paga

A estratégia de mídia paga se refere, especialmente, à criação de anúncios em redes sociais e no próprio Google. Nas redes sociais, basta escolher um público-alvo, qual será o conteúdo e qual valor será investido no anúncio, bem como por quanto tempo ele será veiculado. Para isso, é importante estudar e definir em quais redes sociais seu público se encontra, para que o investimento gere o máximo de retorno possível. Nesse aspecto, é importante nos atentarmos aos elementos permitidos nos anúncios de serviços jurídicos, conforme o Código de Ética da OAB.

Outra possibilidade é anunciar algo que não seja necessariamente o serviço jurídico. Um exemplo é anunciar um evento a ser realizado pelo escritório, ou um conteúdo produzido pelos advogados (esse último quando os anúncios são aliados à estratégia de inbound).

No Google, geralmente, os anúncios são realizados por meio do aproveitamento das buscas orgânicas. Dessa maneira, após a definição da “persona” (sobre o que falaremos a seguir), é importante verificar o que ela buscaria no Google. E, dessas buscas, o que é relacionado ao problema resolvido pelo seu negócio, ou sobre a sua solução. Com base nisso, o escritório pode optar por “comprar” uma boa posição no Google. Assim, o site do escritório pode ficar entre os primeiros da lista para determinada busca por palavra-chave.

A maior vantagem é que é uma estratégia que também funciona a curto prazo. A maior desvantagem é o fato de que os anúncios funcionam feito “leilões”. Ou seja, os preços para ficar bem colocado no Google podem variar e ficarem cada vez mais altos.

Definição do público-alvo

Agora que você já conhece um pouco sobre as formas de aquisição de clientes, pensemos especificamente no inbound marketing: para que uma estratégia seja eficiente é importante definir um nicho bem específico. Quanto mais específico, melhor! Qual tipo de cliente que gera mais lucro para o escritório?

E como descobrir quem é o cliente ideal do escritório?

  1. Quais é a área de atuação mais forte em que seu escritório atua ou pretende atuar?
  2. Busque dados dos seus clientes ( sobre aqueles “melhores e piores clientes” do seu escritório para mapear o perfil deles);
  3. Compreenda o perfil dos prospects que não optaram pelo seu escritório;
  4. Procure os padrões nos dados obtidos e trace quais são as características dos seus melhores clientes.

A “persona” é o alvo de toda a estratégia de marketing jurídico. Ela deve ser o destinatário de qualquer conteúdo, anúncio, ou divulgação que será realizada, visto que ela é a representação fictícia do seu cliente ideal, criada com base em dados reais sobre comportamento e características dos seus clientes. Apresenta, também, uma criação de suas histórias pessoais, motivações, objetivos, desafios e dores.

Escolha de canais

É importante que você pense quais canais a sua persona acessa para que a estratégia de distribuição tenha sucesso. Alguns exemplos de canais para distribuição:

  1. Blogs;
  2. E-mails marketing;
  3. Redes sociais;
  4. Lista de transmissão no Whatsapp;
  5. Newsletter semanal;
  6. Mídias pagas (Google, Facebook e Instagram Adwards).

Após a definição de quais canais são os mais relevantes para a sua persona, é imprescindível definir uma estratégia de distribuição. 

Quantas vezes por semana cada conteúdo será distribuído?

Em quais horários é melhor realizar essa distribuição?

Por meio das redes sociais (perfil de negócios) e por meio do Google Analytics é possível verificar os horários que sua página/site tem mais acessos! Com base nisso, fica mais fácil definir os melhores horários para divulgar os conteúdos de marketing do escritório.

Em relação às mídias pagas, é importante definir:

  1. Redes sociais: quais posts serão distribuídos de forma paga, qual público se pretende atingir e qual valor será investido.
  2. Google: em quais palavras-chave vale a pena investir dinheiro, em qual palavra você deseja e é possível estar bem rankeado no Google (Isso deve ser analisado de acordo com o volume de buscas e com o valor do Adward para cada palavra).

Mapeamento de processos

O mapeamento de processos nada mais é que padronização de todos os processos do escritório de forma explicitada, ou seja, clara e objetiva, preferencialmente até de forma escrita em fluxogramas. É uma forma de identificar gargalos, delimitar funções e papéis, prever recursos, estimar custos e mensurar o desempenho do processo.

Além disso, com ele, acontece uma convenção dos métodos de trabalho. Ou seja, as ações de dentro do escritório tornam-se uma espécie de esteira de produção, gerando maior controle e produtividade. Com isso, é gerada uma segurança para o escritório em relação à execução efetiva das ações. Assim, todas as pessoas envolvidas em uma determinada atividade possuem a clareza do que fazer, em qual prazo, quais procedimentos compõem aquele serviço em específico.

Por meio do mapeamento é possível definir pontos de melhoria:

  1. O que está gerando e o que está retirando valor dos clientes?
  2. Quais as fontes com mais e menos custo? Por quê?
  3. Das atividades mais ineficientes (maior custo e/ou menor receita), quais os principais gargalos?
  4. Respondendo a essas perguntas, será possível compreender, de forma mais objetiva, como melhorar as atividades do escritório por meio dos processos.

Dicas de marketing jurídico: as principais estratégias

Delimite sua área de atuação e direcione esforços

Qual é a área de atuação mais forte em que seu escritório atua ou pretende atuar? Entender essa delimitação é um avanço para direcionar os seus esforços de marketing para a prospecção e para a manutenção do relacionamento com a sua persona. Assim, consequentemente, as metas que você precisará bater fluirão melhor e o seu trabalho ficará mais claro quando você tiver a certeza de quem é o seu tipo de cliente ideal.

Perceba o seu site como vitrine do seu escritório

É muito importante que o seu escritório tenha um site. Além de demonstrar profissionalismo para quem segue uma advocacia mais tradicional, utilizar essas plataformas virtuais é imprescindível para estratégias de marketing jurídico. 
Boas opções para você gerir sozinho são as desenvolvidas em WordPress ou Wix. Por meio delas, você vai divulgar o escritório, destacando pontos fundamentais para o conhecimento do público como sua missão e seus valores, suas áreas de atuação e sua equipe, além de eventuais (avalie essa possibilidade) produções de conteúdo.

Aparência importa

Tenha em mente que o seu site precisa ser agradável para que o internauta tenha interesse em navegar por ele. Pense e estude em designs que conversem com o seu propósito de trabalho, com a disposição de informações de maneira clara e assertiva. É preciso que esse site também seja funcional para as telas de aparelhos móveis, não apenas para as telas de computadores. 

Ao transmitir profissionalismo por meio de um site atrativo, você aumenta as suas chances de captar novos clientes. Afinal, com tantas opções na internet, as pessoas não vão insistir em sites que não as agradam.

Tenha um blog

Os blogs são plataformas perfeitas para a produção de conteúdo. Trata-se de um espaço só seu e que será utilizado como portfólio, concentrando todos os artigos que você escrever. Por outro lado, as redes sociais devem ser utilizadas como meios de apoio e de distribuição desse conteúdo. Um grande erro de muitos advogados é fazer justamente o contrário: focar a produção de conteúdo diretamente para as redes sociais.

Pense na seguinte situação: o Orkut foi uma rede social que fez sucesso por um tempo e depois perdeu espaço para o Facebook. Hoje, ninguém usa Orkut mais… Quem focava somente nele, produziu um conteúdo com prazo de validade que já venceu! Dessa forma, pode ser que isso aconteça com outras redes sociais no futuro. Ainda, as redes sociais são reféns de algoritmos e os conteúdos ganham visibilidade instantânea que geralmente duram só 24h. Investir em um blog que é gerido pelo seu escritório é uma forma de garantir segurança para o seu trabalho de marketing jurídico e que ele não perca relevância.

Use e-mail

Você pode até pensar que é chato ter uma caixa de e-mail cheia, com várias pendências para serem respondidas… Calma! Você pode estar usando o e-mail de maneira errada. Mas como utilizar o e-mail da forma correta? É se relacionar com a pessoa certa, no momento ideal e com uma boa mensagem. Pelo e-mail é possível reforçar o relacionamento com clientes antigos e atrair novos, por meio de newsletters, por exemplo. Na Freelaw temos um exemplo de como trabalhamos para nos aproximarmos da nossa audiência nesse sentido e você pode conferir aqui.

Marketing jurídico de conteúdo

Palavras-chave e marketing jurídico de conteúdo

Na estratégia de inbound marketing jurídico é o cliente que é atraído pelo escritório, não o contrário. Mas, ficar “no pé” dos potenciais clientes insistindo para que eles te contratem não é uma boa opção. Contudo, o marketing de conteúdo é a chave para a prospecção. É importante, nesse caso, ter bem claro o seu nicho de mercado e a sua persona, bem como os comportamentos dela, como já foi dito anteriormente. Então, é preciso pensar em como a sua persona pesquisaria algo no Google.

É necessário definir quais os temas dos conteúdos que serão produzidos. Após entender o cliente e também as dores, os problemas e os objetivos dele em mente, é necessário utilizar a criatividade para pesquisar quais serão as “palavras-chave” dos conteúdos.

Para confirmar essa hipótese, deve-se realizar a busca por essas palavras em ferramentas gratuitas como o UberSuggest. Por meio dela, é possível descobrir quantas buscas são realizadas, mensalmente, por qualquer palavra. Você consegue saber, por exemplo, que 1000 pessoas pesquisam divórcio em cartório, por mês, no Brasil.

Essas pessoas, provavelmente, estão interessadas em se divorciar… Concorda? Após essa consulta, você descobrirá quais as palavras, que serão ou que podem ser pesquisadas pelos seus potenciais clientes, possuem maior número de buscas no Google. Com base nelas, será necessário definir o calendário de produção de conteúdo.

Marketing jurídico digital

Produzir conteúdo é uma coisa, mas distribuir é outra. Crie uma estratégia de distribuição para garantir que as pessoas acessarão o seu conteúdo via e-mail, mídias sociais, Facebook, LinkedIn, Instagram… Essas plataformas funcionam como vitrines on-line. 

A nossa sugestão é: criar conteúdos mais extensos em seu blog, no YouTube e em podcasts, e os distribua em micro-pílulas em todos os canais! Sabemos que produzir posts para as redes sociais demanda tempo. Mas, mais importante do que o volume produzido é manter a constância! Se você se comprometer a fazer dois posts por semana para as redes sociais da empresa, cumpra com isso.

Facebook

O Facebook ainda é uma das redes sociais mais utilizadas pelos brasileiros. Por meio dele, você pode interagir com os seguidores da sua página, realizar lives que abordem as temáticas trabalhadas no seu escritório ou de interesse, além de outros mecanismos capazes de te aproximar do público de interesse, como o sistema de avaliação de produtos e de serviços que você oferece.

LinkedIn

O LinkedIn é a rede social profissional mais famosa do mundo. É o ambiente ideal para o seu escritório assumir tanto uma postura tradicional quanto uma inovadora. Lá, na maioria das vezes, as pessoas estão falando sobre assuntos que envolvem o trabalho delas. O LinkedIn também é um espaço amigável para você postar sobre as conquistas marcantes, cases, premiações, participações em eventos e em congressos da sua área, de forma a engajar o público de interesse e criar networking.

Instagram

A instantaneidade do Instagram requer conteúdos práticos, assimiláveis e rápidos. A rede social tem um cunho audiovisual marcante, por isso, talvez lá não seja o espaço para a postagem de conteúdos densos, com textos muito específicos. Contudo, por intermédio de conteúdos leves e interativos, além do uso dos stories, você consegue humanizar a sua marca, aproximando-a das pessoas.

E já que estamos nessa temática, a Freelaw produziu um podcast com um conteúdo exclusivo sobre como usar as redes sociais no marketing jurídico. Confira abaixo!

Não tercerize a sua estratégia

É de extrema importância que você tenha conhecimento do funcionamento da estratégia de marketing no seu escritório. Após ler tudo isso, temos dois conselhos para te dar:

  1. Não deixe a sua estratégia de marketing jurídico nas mãos de uma empresa terceirizada, que não conhecerá o seu nicho de mercado tão bem quanto você, porque isso faz parte do crescimento do seu negócio. Ter tempo para fazer isso sozinho é um difícil mesmo, mas você pode contratar alguém para trabalhar diretamente com essa parte. E não deixe de participar de reuniões com o time de marketing para entender o que está acontecendo;
  2. Sabe quando começar? Agora! Os resultados não vêm do dia para a noite, mas a longo prazo você perceberá que esse foi o melhor momento para por em prática todo esse conhecimento.

Conteúdos sobre marketing jurídico

Marketing Jurídico – O Poder das Novas Mídias & Inteligência Artificial

O livro “Marketing Jurídico – O Poder das Novas Mídias & Inteligência Artificial” é de Rodrigo Bertozzi. Ele narra a quarta revolução industrial como fator de impacto nas relações, inclusive na forma como os clientes percebem serviços e buscam por novos produtos. Nesse livro, é abordado como as tendências tecnológicas impactam nas carreiras jurídicas e desaparecem com quem se nega a acompanhá-las.

O guia definitivo do marketing jurídico

O livro “O guia definitivo do marketing jurídico”, de Alexandre Motta, ensina os advogados a como desenvolver estratégias de marketing que não firam a ética da profissão de forma prática e educativa, demonstrando resultados que podem ser sentidos no dia a dia.

Marketing jurídico – os dois lados da moeda

Já o livro “Marketing jurídico – os dois lados da moeda”, também de Alexandre Motta, amplia a reflexão sobre as formas de divulgação dos serviços prestados em advocacia. Ele mostra como o profissional do direito pode se posicionar no mercado com o marketing jurídico.

Método Freelaw e Método Freelaw – Melhores Momentos

No podcast Método Freelaw, nós trazemos, toda semana, conteúdos sobre as melhores práticas de marketing jurídico digital, vendas na advocacia, redes sociais e tudo o que você precisa saber para construir uma estratégia ética e consistente para aquisição e retenção de clientes por meio da internet! E, para que você tem pressa, também temos o Método Freelaw: Melhores Momentos, com publicações diárias, com o mesmo conteúdo, mas em trechos curtinhos.

Lawyer to Lawyer

O Lawyer to Lawyer é outro podcast da Freelaw, que conta com a participação de vários advogados convidados. Os episódios são divulgados toda quinta-feira, contando sobre as melhores práticas de gestão, inovação e tecnologia na advocacia.

Suporte no marketing jurídico para quem quer inovar na advocacia

Nós acreditamos que os advogados que não criarem tempo para desenvolver o marketing jurídico e para buscar outras inovações tecnológicas estão fadados ao insucesso. O marketing jurídico é uma necessidade para advogados inovadores e para escritórios e está em constante evolução.

Se você chegou até aqui, parabéns! Você já está à frente de vários outros profissionais do direito. Lembre-se que quanto mais você se engaja, maior é a sua chance de sucesso. Agora, acreditamos que você queira implantar o marketing jurídico no seu escritório de advocacia. Por isso, os nossos especialistas separaram uma curadoria dos melhores conteúdos para você dar início à essa aplicação de forma moderna, eficiente e ética. Clique no botão abaixo e receba no seu e-mail esse material 100% gratuito!

Bem-vindo e bem-vinda à inovação! Mãos à obra!