Perseverança, senso de justiça, empatia, foco e disponibilidade são alguns dos parâmetros importantes para a liderança na advocacia e para uma boa atuação em equipe.

Quando falamos de inserir a inovação nas rotinas jurídicas, muitos advogados tendem a imaginar essa situação como a necessidade de aplicar novas soluções tecnológicas na realização das suas atividades do dia a dia. 

Porém, por mais que exista essa possibilidade, não podemos restringir a inovação apenas ao lado da tecnologia, esquecendo da importância dos recursos humanos para a performance do seu negócio. 

O crescimento dos escritórios depende exatamente da habilidade em conseguir multiplicar sua força de trabalho e, só é capaz de alcançar esse resultado, quem aprende a gerenciar as pessoas de forma adequada, orientando bem suas equipes.  

Liderar não é uma capacidade natural, como a maioria acredita, e pode ser desenvolvida aos poucos a partir da aplicação de determinadas estratégias. 

Neste artigo, vamos falar sobre isso, mostrando como a liderança na advocacia pode se tornar uma realidade na gestão do seu escritório. Fique atento às dicas que traremos a seguir: 

Qual a importância da liderança no ambiente jurídico?

A maioria dos escritórios de advocacia levam os nomes dos seus sócios, o que faz com que exista tanto medo e resistência na hora de entregar as demandas e decisões a outros integrantes da sua equipe de trabalho. 

Afinal, um deslize em alguma etapa pode impactar na sua reputação diante dos clientes e demais parcerias. Por outro lado, essa falta de confiança desestrutura a delegação das tarefas e gera a sobrecarga de membros do seu time.  

Com uma liderança bem alicerçada, que capacite as pessoas com completude, é possível enfrentar esses desafios com mais facilidade. Assim, os profissionais serão capazes de entregar demandas de tão alta qualidade quanto às feitas pelos donos. 

Portanto, se você quer que sua empresa esteja à frente no mercado jurídico, invista primeiramente em aperfeiçoar os membros da sua equipe. O que só será possível com uma liderança sólida e focada em extrair o melhor de cada pessoa do seu time.  

Quais são as características de um excelente líder?

É surreal estabelecer a liderança dentro de apenas um comportamento padrão, esquecendo que as formas de liderar são muito diversas e vão variar de um negócio para o outro. 

Contudo, independente do modelo, existem atributos que são fundamentais para o perfil de qualquer líder e vão contribuir para que ele consiga executar esse papel com mais competência. 

Perseverança, senso de justiça, empatia, foco e disponibilidade são alguns dos parâmetros importantes para uma boa atuação dos líderes. Outros exemplos foram especificados a seguir: 

1. Essa pessoa comunica à equipe as expectativas de desempenho

Um bom líder é aquele que preza por manter a comunicação constante e transparente com seu time, impedindo que a falta de diálogo seja uma barreira para o bom desempenho das atividades. 

Desse modo, ele garante que todos os envolvidos estejam cientes das metas almejadas pela empresa em seu planejamento estratégico e trabalhem, de forma organizada, para a concretização desses propósitos. 

Para realizar esse alinhamento, os líderes podem contar com o auxílio de ferramentas que vão facilitar a definição dos objetivos e a transmissão de informações entre a equipe. Conheça algumas opções: 

5W2H e outras metodologias práticas

A ferramenta “5W2H” é uma das mais usadas pelas empresas, por sua simplicidade e precisão, ao estabelecer as etapas de um projeto. Ao aplicá-la, você vai responder a sete perguntas essenciais sobre como o trabalho será executado. São elas: 

  • What: O que será feito?
  • Why: Por que será feito?
  • Where: Onde será feito?
  • When: Quando será realizado?
  • Who: Por quem será executado?
  • How: Como será feito?
  • How much: Quanto vai custar?

Além da metodologia “5W2H”, a “Análise SWOT” e o “Ciclo PDCA” também são ferramentas muito populares entre as lideranças para elaborar planos de ação junto aos seus times.  

2. Ela estabelece uma cultura de feedbacks

O feedback é uma das melhores estratégias que as lideranças podem usar para alinhar o trabalho da sua equipe, acompanhando bem de perto as ações feitas por ela para propor melhorias contínuas que impactarão no desempenho da empresa.  

Essa é uma oportunidade “de mão dupla”, em que a liderança ajuda os colaboradores a desenvolverem uma alta performance, enquanto é beneficiada pela correção de comportamentos que podem comprometer seus resultados. 

3. Ela reconhece as conquistas e os avanços dos liderados

Uma boa liderança sabe que o trabalho bem feito da sua equipe é o principal fator para garantir o sucesso do seu negócio e que ele só acontece quando os colaboradores estão motivados.  

Por isso, ela valoriza as conquistas pessoais de cada membro, pois sabe que o crescimento da sua empresa é reflexo da satisfação de todo o seu time. 

Isso porque profissionais engajados não medem esforços para correr atrás das metas delimitadas da sua empresa, desde que eles entendam esse propósito e se sintam parte da concretização desse objetivo.     

No episódio 115 do podcast “Lawyer to Lawyer”, falamos mais sobre boas práticas a serem aplicadas ao fazer a gestão de pessoas em escritórios de advocacia. Escute: 

4. Ela sabe tudo o que acontece no escritório

O líder tem um importante papel no desenvolvimento do fluxo de trabalho da empresa como um todo, desde a delegação de tarefas entre os colaboradores à execução das atividades. 

Por isso ele deve ficar atento a cada pormenor desta jornada para ter a certeza de que tudo está funcionando conforme o planejado. De nada adiantará elaborar planos de ação se eles não forem colocados em prática. 

Esse acompanhamento contínuo ainda garante ao líder saber exatamente quais são os pontos da empresa que precisam de melhorias, possibilitando que ele atue de forma mais estratégica e direcionada na resolução desses problemas. 

5. Ela motiva os liderados a estudar

Muitos desafios aparecem todos os dias na rotina dos escritórios e um bom líder deve incentivar seu time a enfrentá-los. Porém, nem sempre os métodos tradicionais serão capazes de resolver essas demandas, que vão exigir novas soluções.  

Por isso, uma liderança sólida sempre vai motivar seus colaboradores a aprenderem cada vez mais, tornando-os capacitados a aplicar seus conhecimentos na resolução de situações de qualquer complexidade.

Quais são os procedimentos para um bom feedback?

Anteriormente, ao falar das características para construir uma boa liderança, você pode observar que oferecer feedbacks ao seu time é uma das atitudes primordiais que apenas quem está em uma posição de líder pode assumir. 

Porém, não é qualquer parecer dado aos seus colaboradores que configurará como um bom retorno. Por essa razão, colocamos a seguir alguns pontos que você deve levar em consideração ao instaurar uma cultura de feedback na sua gestão jurídica

1. Descreva o fato

Antes de iniciar a conversa com sua equipe, você pode fazer um pequeno resumo de tudo que será apresentado durante o feedback, assim os colaboradores ficaram menos apreensivos em relação ao que será falado.

Um bom parecer não vai mostrar apenas os pontos falhos, que necessitam de melhoria, mas também precisa conter elogios e pensar em formas de solução para os desafios encontrados. 

Ao apresentar cada um dos pontos, exemplifique com situações que já aconteceram ou acontecem na empresa, confirmando-as a partir de métricas coletadas durante a atuação do time, deixando a conversa mais concreta para os profissionais. 

2. Seja claro e específico 

Não dê muitos rodeios ao dar retornos à sua equipe, pois isso pode dificultar o entendimento dos colaboradores. Sem compreender a sua mensagem, eles manterão a postura anterior e deixarão de lado sua sugestão de melhoria. 

Por exemplo, para alguém com dificuldades de expor ideias, prefira dizer “uma vez na semana, você terá espaço na reunião para falar suas observações a respeito do nosso projeto”, do que “quero que você se comunique mais nas nossas conversas”. 

3. Ajude o liderado a identificar erros 

Ao invés de chegar em uma reunião, expondo todos os pontos falhos do trabalho à sua equipe, você pode optar por construir esse feedback em conjunto com seus colaboradores. 

Basta estabelecer um diálogo entre todo o time, abrindo espaço para que os profissionais apresentem suas percepções a respeito das necessidades da empresa hoje.  

Além de permitir que você enxergue novos aspectos do seu negócio, que podem ter passado despercebidos, essa é uma forma de valorizar as pessoas que fazem parte da sua equipe.  

4. Destaque a importância da resolução do problema

De nada adiantará apontar os pontos que precisam de melhoria na atuação da sua equipe jurídica, se vocês não se dedicarem a pensar em novas alternativas para solucionar as situações apresentadas.  

Essa parte é primordial para qualquer feedback e precisa ser realizada em conjunto com todos os colaboradores, afinal quanto mais pessoas empenhadas em procurar uma solução, mais ideias aparecerão. 

Aproveite das metodologias ágeis nesse momento para definir planos de ação mais específicos, alinhando o trabalho de toda a equipe diante das resoluções propostas. 

5. Permita que a outra pessoa proponha saídas 

Depois que a liderança apresentar todos os pontos que deseja enfatizar, reserve um tempo para ouvir o que os colaboradores têm a falar a respeito das situações destacadas. 

Essa pode ser a oportunidade de encontrar novas resoluções para os desafios, além de demonstrar o interesse da empresa em estabelecer um diálogo maduro e próximo aos profissionais da sua equipe.   

6. Valide o feedback 

Após conhecer os pontos de melhoria da sua empresa e definir os planos para modificá-los, é hora de partir para a ação! Estimule sua equipe com desafios para colocar essas novas mudanças em prática na rotina do seu escritório. 

O fundamental de um feedback é que ele motive seu time a ser ainda melhor, incentivando o desenvolvimento pessoal de cada colaborador e, consequentemente, impactando na atuação e no crescimento da sua empresa. 

7. Avalie todo o processo

O acompanhamento da sua equipe após o feedback é a melhor forma de avaliar se o retorno foi eficaz. Se os comportamentos se alteraram após a conversa, quer dizer que os colaboradores foram realmente sensibilizados pela mensagem. 

Caso isso não aconteça e tudo continue da mesma forma, vale a pena avaliar se o processo de feedback foi feito de forma adequada. Isso pode gerar melhorias na hora de estabelecer esse diálogo com a sua equipe em oportunidades futuras. 

Exemplos de tipos de liderança na advocacia:

Por mais que haja pontos em comum na atuação das lideranças, nem sempre elas estabelecem o mesmo estilo de vínculo com os colaboradores. Para descobrir a melhor forma de liderar, observe como ela se adequa à realidade do seu time. 

Todos os modelos têm benefícios e desvantagens e o que vai fazer a diferença é escolher um formato que combine com a estrutura do seu negócio. Listamos os principais estilos encontrados atualmente no mercado para te ajudar nessa decisão: 

1. Autocrática

Quem já passou por escritórios de advocacia tradicionais provavelmente teve contato com esse modelo de liderança, em que a equipe é guiada pelo “clássico chefe” que toma à frente de todas as decisões sozinho. 

Nesse estilo, o poder é centrado no líder e os colaboradores devem apenas seguir seus comandos, sem ter muito espaço para expressar suas opiniões. 

A agilidade nos processos e o enfoque na execução das tarefas são as fortalezas desse tipo de liderança, que tem a ausência de diálogo e falta de proatividade dos profissionais como contrapontos. 

2. Democrática

A participação dos colaboradores nas decisões e atividades da empresa é o grande diferencial de uma liderança democrática, que está sempre em busca de garantir a satisfação e o bem-estar dos membros da sua equipe. 

Como a colaboração das pessoas é ativamente incentivada nesse modelo, geralmente, os processos são bem mais demorados e podem ficar sem controle sem não tiverem um bom planejamento

Porém, é comum que as equipes de lideranças democráticas sejam bem mais comprometidas com as tarefas, já que se sentem diretamente responsáveis pelos resultados alcançados.  

3. Visionária

A visão de futuro é o que mais importa para as lideranças visionárias, que estão focadas em implementar melhorias nos negócios para impulsionar o crescimento e o sucesso dos seus escritórios

Para isso, elas sempre compartilham seus objetivos com todo o time, que deve trabalhar de modo alinhado para alcançá-los. A inovação e a criatividade são habilidades incentivadas na atuação dessas equipes. 

Contudo, lideranças desse estilo tendem a ser muito idealizadoras e devem tomar cuidado para que seus planos não fiquem apenas no papel, traçando metas para que eles sejam verdadeiramente colocados em prática. 

4. Liberal 

Um líder liberal é aquele que acredita no potencial de autogestão do seu time, por isso está mais interessado em distribuir as tarefas entre os colaboradores, confiando responsabilidades a cada um, do que em controlar o trabalho a todo momento. 

Para instalar uma liderança desse modelo, é preciso que o escritório de advocacia seja bem consolidado com uma equipe madura o bastante para tomar suas próprias decisões. 

Sem isso, os profissionais podem ficar desorientados e desmotivados, provocando a perda da qualidade dos serviços prestados e a estagnação do desenvolvimento da empresa. 

Por que os advogados têm dificuldade em liderar pessoas?

Liderar é uma daquelas habilidades que não é ensinada em currículos universitários de direito, mas que é fundamental na prática dos advogados, principalmente para quem pretende apostar na área do empreendedorismo jurídico

Mas, como o trabalho da advocacia é muito burocrático, muitos profissionais preferem manter o controle das suas atividades do distribuir as tarefas entre seu time com medo de comprometer a qualidade do serviço e o nome do seu escritório. 

Assim, eles criam essa certa resistência que os leva a acreditar que a liderança é uma capacidade natural somente para alguns indivíduos e não pode ser desenvolvida ao longo da carreira. 

A seguir, vamos desmistificar essas percepções para que, de uma vez por todas, você entenda que é possível aprender a ser um líder ao gerenciar seu negócio e sua equipe jurídica: 

1. Liderança não tem a ver com cargo

Ocupar um papel de chefia no seu escritório, ser um trabalhador sênior ou ter um salário maior não são aspectos que te tornam um líder. 

Na verdade, essa característica está muito mais atrelada ao modo como o profissional se porta diante dos desafios que enfrenta no dia a dia da empresa do que ao cargo que ele desempenha. 

2. Liderar não é sobre possuir qualidades

Embora existam atitudes que sejam corriqueiras na postura dos líderes, como o senso de justiça e a boa comunicação, não são elas que irão definir quem possui ou não essa habilidade. 

Assim como a liderança, essas características são capacidades que podem ser desenvolvidas ao longo da carreira.   

3. Liderar não é exclusivamente gerir

Considerar que liderança é sinônimo de gestão talvez seja um dos mitos mais populares a respeito desse assunto. Contudo, ao observar bem de perto veremos que essas são ações completamente diferentes. 

Enquanto a gestão está relacionada ao planejamento, execução e monitoramento das organizações, a liderança está sempre voltada aos recursos humanos. Um gestor vai lidar com coisas e questões e um líder com as pessoas. 

Quais são as habilidades não jurídicas que um advogado precisa ter?

Saber trabalhar com outras pessoas, manter uma boa comunicação ou desenvolver soluções criativas são habilidades que não aprendemos em nenhuma universidade, mas que cada vez mais são cobradas no mercado de trabalho. 

Isso não seria diferente para o universo dos advogados. Engana-se quem pensa que apenas o conhecimento técnico e especializado será suficiente para alcançar o sucesso do seu escritório. 

O dia a dia jurídico impõe desafios e bons profissionais do direito são aqueles que estão preparados para passar por essas situações, combinando suas soft skills ou a capacidade técnica que dominam. 

Quando um cliente procura por um advogado nem sempre ele está em busca somente do produto final jurídico, como uma petição online

Às vezes, o que ele quer é encontrar segurança, confiança, tranquilidade ou outras sensações que só o desenvolvimento das soft skills vão possibilitar que você tenha. Saiba mais sobre a importância dessas habilidades para os advogados no vídeo: 

Por que o advogado líder precisa ter conhecimentos interdisciplinares?

Em um mundo tecnológico, em que as tendências se alteram constantemente, só vão se adaptar aqueles que estejam abertos a conhecer e se adequar a essas novidades. 

A forma sólida e engessada de trabalhar, inclusive, na advocacia, foi substituída por processos voláteis, que exigem muito mais do que apenas o domínio do conhecimento especializado. 

Por isso, um advogado que quer se manter competitivo no futuro deve estar atento a essas mudanças, de modo que ele prossiga atendendo ao mercado dentro das suas exigências. 

O ideal é que essa evolução seja estendida a toda a cultura organizacional dos escritórios de advocacia e ninguém melhor que os líderes para guiar esse processo. 

Quem está à frente deve ser o primeiro a se entregar às inovações, sejam elas sobre novas formas de advogar, de gerenciar sua equipe ou de organizar suas tarefas. 

É fundamental aproveitar todas as oportunidades trazidas com o avanço tecnológico de modo a encontrar novas soluções que preservem a qualidade dos serviços jurídicos, mas permita cumpri-los com menos custos e em menor tempo. 

A tecnologia pode auxiliar nesse quesito?

É comum que os advogados fiquem perdidos ao passar por esse processo de transição, em que eles começam a realizar atividades no seu escritório que vão além do universo jurídico. 

Nesse momento, a tecnologia pode se tornar uma grande aliada desses profissionais ao lidar com essas novas questões. Com ela, será possível executar os processos com mais facilidade, sem comprometer as demais atividades. 

O interessante é que isso pode ser alcançado por diferentes vias: com a inserção de um software jurídico, com o uso de novas ferramentas digitais ou ainda com a adoção de metodologias na sua gestão. 

Independentemente do meio adotado, tenha sempre em mente que a tecnologia existe para ser usada a favor do seu escritório e só fará sentido à sua rotina se ela for aplicada nessa intenção. 

Como a Freelaw pode te ajudar a ter uma boa liderança na advocacia?

No mercado, você vai encontrar inúmeras opções de soluções tecnológicas para otimizar diferentes processos da sua rotina jurídica, que vão desde facilitar a elaboração de contratos a atender seus clientes de modo mais eficiente

Sem uma orientação adequada, você corre o risco de investir em uma dessas ferramentas de forma equivocada, sem se atentar para suas atuais necessidades. Isso dificultará que você alcance qualquer resultado satisfatório para o seu negócio. 

Na Freelaw, estamos dispostos a auxiliar os advogados nessa jornada com a tecnologia, oferecendo aprendizados que vão te ajudar a identificar as melhores soluções para o momento atual da sua empresa. Conheça um dos nossos serviços:   

1. Consultoria de implementação da Freelaw

Se você não sabe por onde começar as melhorias na gestão do seu escritório de advocacia, recomendamos que acesse a nossa consultoria de implementação, uma ferramenta voltada para aumentar a eficiência dos seus serviços jurídicos. 

Nessa plataforma, você vai aprender a estabelecer um modelo de trabalho totalmente online e remoto, que vai preservar a qualidade do seu trabalho, otimizando o tempo gasto para realizar determinadas tarefas da sua rotina. 

5 livros inspiradores para advogados sobre liderança

A leitura é sempre uma fonte inesgotável de conhecimento e profissionais, que querem aprender a liderar suas equipes de forma certa e inovadora, podem escolher esse meio para se aprofundar no assunto. 

A seguir, montamos uma lista com cinco sugestões de livros obrigatórios para qualquer advogado que está em busca de aprender e desenvolver mais seu potencial de liderança: 

1. O monge e o executivo 

A obra “O monge e o executivo” conta a história de John Daily, um homem de negócios que, de repente, se vê fracassado como chefe, marido e pai. O enredo vai trazer a tentativa desse personagem de retomar o controle dessas situações. 

É um livro obrigatório sobre liderança por abordar questões como a importância da escuta, as diferenças entre poder e autoridade e a forma de lidar com outras pessoas. 

2. Como fazer amigos e influenciar pessoas

No livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”, o autor Dale Carnegie destaca a importância das relações humanas como fator para a ascensão no meio profissional. 

Aos poucos, ele vai apresentando um guia de como é possível melhorar os relacionamentos no dia a dia, desenvolvendo habilidades essenciais tanto para a boa comunicação quanto para a liderança.  

3. O gestor eficaz

Em “O gestor eficaz”, Peter Drucker aproveita para fornecer dicas, principalmente aos executivos, sobre como priorizar atividades e melhorar sua maneira de gerenciar equipes, tarefas e projetos. 

Além disso, ele ainda mostra aos profissionais como é importante aprender a se autogerenciar, ensinando sobre priorização do tempo, planos de ação e outras técnicas para uma gestão eficiente. 

4. A arte da guerra 

Os ensinamentos de Sun Tzu em “A arte da guerra” focam em falar sobre as estratégias necessárias ao vivenciar conflitos armados, que também podem ser aplicadas a outras áreas da vida, especialmente no âmbito profissional. 

Avaliação, liderança, tempo e imprevistos são alguns dos assuntos encontrados ao longo dos capítulos. 

5. Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes

Você só vai obter mudanças significativas na sua história, se estiver disposto a modificar suas ações para alcançar esses resultados: essa é a principal mensagem do livro “Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes” do autor Stephen Covey.   

Essa é uma leitura obrigatória para quem quer aprender sobre liderança, pois traz lições valiosas para seu crescimento pessoal que podem ser refletidas na gestão do seu negócio.

Conclusão: devo aprender a ser um líder na advocacia?

Não restam dúvidas de que para se destacar na advocacia, você precisa aprender a ser um líder, independente se ocupa ou não uma posição superior na hierarquia do seu escritório. 

Um bom advogado é aquele que sabe que os resultados da sua empresa não dependem apenas da atividade jurídica e estão em busca de aprimorar suas habilidades pessoais em prol de alavancar o sucesso do seu negócio. 

Ao assumir essa postura, você se compromete não somente com seu desempenho particular, mas com o da organização como um todo, assim como fazem os líderes. 
Nessa jornada, o essencial é nunca deixar de aprender para evoluir cada vez mais. Comece descobrindo como a inovação e a tecnologia podem fazer a diferença no seu escritório por meio do nosso e-book gratuito! Clique aqui e faça o download agora!