Legal operations é a consolidação de todos os fluxos de atividade fundamentais para o funcionamento de um escritório ou departamento jurídico, deixando com o jurídico apenas o que for da esfera legal.

Com os avanços tecnológicos, o setor de legal operations está ganhando força no cenário brasileiro, sendo impossível não mencionar a crise sanitária do Covid-19, que alavancou a necessidade de se estar preparado quanto ao momento de agir para a ressignificação de valores, de ações e para estabelecer novas conexões na evolução do mercado jurídico.

Diante das novas perspectivas, ainda é contínua a necessidade de se ter um time advocatício que trabalha de maneira conjunta pelos mesmo ideais. Assim, é de extrema necessidade estar atento às novas soluções apresentadas no mercado, utilizando a seu favor as diversas interfaces jurídicas em consonância com uma boa equipe. 

Por isso, hoje, vamos apresentar a você o que é o legal operations, quais são os seus benefícios em uma carreira advocatícia, as suas particularidades e, o melhor, como aplicar o conceito na prática do seu escritório!

Então, se você deseja conhecer mais sobre o futuro da advocacia, leia este artigo até o final.

O que é o legal operations?

De maneira simplificada e direta, a legal operations é a consolidação de todos os fluxos de atividade fundamentais para o funcionamento de um escritório ou departamento jurídico, deixando com o jurídico apenas o que for da esfera legal. Isso significa dizer que essa equipe terá o objetivo de otimizar o funcionamento de todo o escritório, com o intuito de proteger o crescimento do negócio advocatício. 

Atualmente, é necessário saber falar sobre tecnologia quando o assunto também é direito. O novo cenário do mercado é ainda mais competitivo do que já foi um dia e, quem não consegue acompanhar essas mudanças e encarar a competitividade, não consegue entregar serviços de excelência para fidelizar clientes. Portanto, é necessário a nova adaptação e a adequação a esse novo modo de funcionamento sistemático e tecnológico. 

Legal operations é um conceito que vem ganhando seu espaço no Brasil, além de já ser um termo amplamente consolidado no exterior. Mas afinal, sobre o que se trata? 

Pensando em te manter sempre atualizado, a Freelaw conversou com Paulo Silva, o gerente de legal operations do Mercado Livre. Caso você queira, assista a esse bate-papo abaixo: 

Equipes jurídicas remotas e o legal operations

A eficiência e a inovação estão relacionadas à otimização de tempo e à assertividade nas demandas. Assim, o departamento de legal operations será coordenado pelo chief legal operations officer, que vai atuar com o escopo de otimizar a capacidade de todos os departamentos do escritório. 

Assim, não é difícil perceber que as equipes jurídicas se distanciam da equipe do legal operations. Dessa forma, temos que essa ferramenta de auxílio se responsabiliza sobre a administração financeira, a gestão de negócios, de clientes e de pessoas, além da área da tecnologia, planejamento estratégico e outros ramos diversos que um escritório de advocacia necessita para um bom funcionamento. 

Quais os principais benefícios que o legal operations pode oferecer para a sua advocacia?

Basicamente, o legal operations pode te oferecer a otimização dos seus serviços e a melhor contribuição possível para você e seu cliente, fidelizando e consolidando seu escritório ou departamento jurídico.

Se você quiser saber um pouco mais sobre os principais benefícios, o episódio “Legal operations: uma nova perspectiva de gestão para seu escritório de advocacia”, especialmente sobre esse tema, vai te auxiliar: 

Além disso, o legal operations também vai beneficiar seu negócio com suas políticas tecnológicas, treinamento e desenvolvimento pessoal e a otimização e saúde da organização. 

Qual é a diferença do legal operations e da controladoria jurídica?

Primeiramente, é necessário definirmos o que seria a controladoria jurídica. Esse setor tem a função de ser responsável pela gestão de atividades relacionadas com a gestão interna no negócio. Ele é chefiado pelo controller jurídico, que  cuida justamente da parte da publicação dos processos, da entrada e saída dos documentos e do lançamento de softwares, além de outras atividades relacionadas a esses tópicos já mencionados.

Portanto, a controladoria jurídica possui funções diretamente relacionadas com as atividades advocatícias em um escritório ou departamento jurídico. 

Assim, quando tratamos acerca do legal operations, falamos sobre compreender os fluxos de trabalho, de pessoas, de orçamentos, de finanças, de tecnologias e de outras áreas aquém do que é jurídico. Por isso, é evidente que o legal operations não trata diretamente sobre as atividades advocatícias do escritório ou do departamento jurídico, mas tem a pretensão de deixar essa seara exclusiva para os advogados, delimitando onde começa e onde termina o trabalho de cada membro da equipe.  

O que faz o profissional de legal operations?

Para ser um chief legal operations officer (CLOO), não é obrigatório ter formação em direito, mas acaba por ser um diferencial para contratação desse tipo de serviço. Assim, mesmo não sendo obrigatório, é um ponto necessário, pois as decisões e as reformas que serão implantadas por esse profissional devem sempre ter base nas necessidade jurídicas. 

Portanto, é essencial que o profissional do legal operations atue no alinhamento funcional cruzado, no RH por exemplo, na análise de dados, na entrega de serviços, na comunicação, nas vendas e no planejamento estratégico, além de outras áreas correlatas.

Atribuições do time de legal operations

Como bem sabido, cada escritório advocatício tem suas próprias demandas e necessidades específicas. Porém, algo semelhante que ocorrerá em todos esses escritórios que tiverem essa nova ferramenta é a necessidade afastar o legal operations das atividades jurídicas de fato que um advogado deve ter. 

Assim, as maiores atribuições do time de legal operations são justamente voltadas não à atividade advocatícia de fato, mas à melhora da otimização de tempo e do serviço, para que essas atividades venham a ocorrer. 

Exemplos de atividades que são de competência do legal operations:

  • Implantar sistemas de gerenciamento dos processos;
  • Implantar sistemas que sanem demandas jurídicas; 
  • Promover interação com todas as equipes do escritório ou departamento jurídico e incorporar novos projetos, sejam de planejamento orçamentário ou até de project management.  

Legal operations e a experiência do cliente

Com o legal operatios, é possível ofertar ao cliente um trabalho mais estratégico, menos dispendioso e até mesmo mais entendível, pois a tecnologia é utilizada para simplificar a resolução da demanda.

O setor é totalmente promissor, justamente porque desempenha o papel de atribuir as atividades a quem as deve ter como responsabilidade, ou seja, em termos menos formais, “cada um no seu quadrado”. 

Deixar ao judiciário apenas as tarefas intrínsecas à sua natureza, como o ato de fazer petições, é de fato um benefício a mais na experiência do cliente, pois demonstra a presença de um escritório que além de organizado, trabalha com toda excelência possível, trazendo e oferecendo a seu cliente o melhor.

O que podemos aprender com essa área?

Não é novidade que o mundo se moderniza muito rápido e o direito é um ramo que precisa acompanhar essas mudanças. Assim, extrair o que o direito tradicional tem de melhor, incorporando as novidades do direito tecnológico não é uma má ideia, na verdade, é essencial para quem deseja se manter no mercado jurídico. 

Logo, o que esse método nos ensina é justamente essa nova realidade mercadológica, evidenciando a necessidade de adequação dos advogados do futuro. Portanto, o legal operations nada mais é que uma das diversas estratégias voltadas para a fidelização do cliente no escritório.

Como aplicar o conceito do legal operations na prática?

Frente às diversas particularidades de cada negócio advocatício, estruturar um departamento de legal operations não é extremamente fácil. Para isso, é preciso capacitar as equipes, estruturar o espaço, realizar tentativas e aprender com os erros.  

A inserção dessa ferramenta é uma mudança muito benéfica! Por isso, comece hoje mesmo, avaliando sua organização e o fluxo de atividades, o empenho de sua equipe e as suas metas. Faça uma correlação entre tudo o que foi mencionado em seu escritório ou departamento jurídico e comece a operação para implementar o legal operations ao seu negócio. 

Agora é com você: você já aplicou esse método no seu escritório? Quais outras ferramentas auxiliadoras você considera indispensáveis? Comente aqui embaixo para que a Freelaw consiga te ajudar ainda mais!

Não deixe de compartilhar este artigo com seu grupo de amigos, advogados ou sócios-gestores que devem saber sobre esse tema, temos certeza que eles vão se interessar bastante pelos novos mecanismos para permanecer e para crescer no mercado. 

Por outro lado, se você já implantou o legal operations no seu escritório e quer conquistar mais clientes na advocacia por meio da internet, nós temos um conteúdo que vai te ajudar nessa missão. Clique neste link e receba no seu e-mail um mapa de conteúdos completo sobre esse tema!