A impugnação é uma peça jurídica na qual a parte irá apresentar a sua discordância com as alegações da parte contrária.

Você já sabe como funciona a impugnação jurídica mas ainda tem dúvidas de como realizar a sua criação? Tem idealização de como e onde aplicá-la? Mas ainda precisa de ajuda para desenvolver? Neste texto, vamos lhe ajudar com todas essas questões!

O que é a impugnação? Segundo o dicionário, impugnar é verbo transitivo direto refutar a autenticidade de algo; contestar, negar: impugnar as consequências de uma lei. Colocar-se contra; ter uma posição contrária a; não concordar com; discordar: impugnar normas; impugnar certos preceitos.

Partindo deste preceito, temos que o direito à impugnação é uma das espécies mais utilizadas para combater argumentos da parte contrária.

Sabendo-se que todo processo se inicia com a peça inicial, onde a parte autora ou requerente busca seu direito, a parte adversa, ao contestar apresenta na realidade a sua defesa dos fatos articulados.

E, é neste momento, que precisamos lançar mão da réplica ou da impugnação. Confira mais detalhes sobre essa peça neste artigo:

Diferenças entre réplica e impugnação

Muitos juristas confundem a réplica com a impugnação, haja vista ambas tratarem de debater argumentos colocados na defesa. Contudo, a impugnação é mais ampla que a réplica.

Isso porque, a réplica seria em uma linguagem mais simplória à defesa da defesa, momento em que o autor rebate tudo aquilo que foi alegado na contestação, seja ela genérica ou que apresente controvérsias.

Já a impugnação, é uma peça mais específica, onde a parte irá apresentar a sua discordância com as alegações da parte contrária.

Ou seja, é na impugnação que o advogado demonstra a sua expertise, refutando e comprovando a veracidade das suas afirmações iniciais.

A impugnação é uma peça tão importante, que deve ser usada de forma coerente e estratégica pelo advogado imbuído do espírito de fazer justiça.

Quando usar uma impugnação?

A impugnação tem diversos momentos a ser utilizada, e forma específicas, como veremos a seguir:

 1) Impugnação de documentos

Extremamente necessário, seja feita em sede de réplica à impugnação aos documentos anexados com a peça defensiva, que se encontram em desconformidade com as determinações legais, que sejam falsos, obtidos com dolo ou ameaça, ou qualquer outro fato que os tornem imprestáveis a serem analisados pelo juízo.

O momento processual exato para a impugnação aos documentos é em sede preliminar, quando da manifestação a contestação, ou réplica.

 2) Impugnação ao valor da causa

Uma das formas de impugnação mais utilizada no direito é a impugnação ao valor da causa.

Este meio de impugnação, tem fundamento no artigo 293 parágrafo 3° do Código de Processo Civil vigente, onde será demonstrado o excesso ou abuso no valor atribuído à causa, ou, em valor que não tenha seguido a determinação legal.

Este meio processual pode e deve ser utilizado também pelo magistrado, quando este verificar que o valor dado à causa é abusivo.

 3) Impugnação ao cumprimento de sentença

A impugnação ao cumprimento de sentença, é sem sombra a forma mais típica de defesa, onde se confunde com a peça contestatória, uma vez que neste caso, o executado é quem se defende por esse meio processual.

A impugnação ao cumprimento de sentença encontra-se disciplinada junto ao artigo 525 parágrafo 1° do Código de processo Civil, como segue:

“§ 1º Na impugnação, o executado poderá alegar:

I – falta ou nulidade da citação se, na fase de conhecimento, o processo correu à revelia;

II – ilegitimidade de parte;

III – inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação;

IV – penhora incorreta ou avaliação errônea;

V – excesso de execução ou cumulação indevida de execuções;

VI – incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução;

VII – qualquer causa modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à sentença.”

Temos assim, que a impugnação neste caso é bastante ampla, servindo não apenas para demonstrar excessos, como também para arguir nulidades que não foram sanadas no processo de conhecimento.

É através da impugnação ao cumprimento de sentença que o executado hoje, sem necessitar de prévia garantia do juízo, aponta falhas ocorridas ou até mesmo nulidades absolutas, para garantir a constituição de seu direito.

Outras formas de impugnação

Existem ainda outros meios de impugnação, existentes em nosso ordenamento.

Contudo, não podem estes serem confundidos com peças recursais, o que comumente acontece, uma vez que ambos os casos servem para impugnar decisões judiciais.

São os outros meios de impugnação:  

Estes procedimentos são chamados de meios autônomos de impugnação, porquanto, são literalmente autônomos, não são utilizados no meio do processo, mas a parte, como verdadeiras ações para impugnar, em quase todas as modalidades uma sentença de mérito.

Estrutura da impugnação

A impugnação é tão importante, que quando não é apresentada, pode ocorrer de serem considerados verídicos os fatos alegados na contestação. Sendo assim, torna-se uma peça de extrema importância jurídica.

Após verificar as formalidades necessárias como tempestividade e a regularidade processual, passemos então a estrutura de tópicos necessária:

  1. Endereçamento: comarca e juízo a quem será dirigida a peça;
  2. Qualificação das partes: em sendo utilizada como réplica ou para impugnar preliminares não é necessária a qualificação dos autores e réus, pois já constante dos autos, mas sendo em impugnação apartada qualificar corretamente as partes e importante e necessário;
  3. Preliminares: devem ser atacadas todas as preliminares arguidas, ou inversamente, alegar em sede preliminar toda a matéria prejudicial de mérito;
  4. Mérito: introduzir tópicos separados demonstra a seriedade de sua peça e ajuda ao magistrado a verificar mais prontamente aquilo que ele necessita para dirimir a controvérsia;
  5. Direito: neste tópico se faz necessário, de forma sucinta, demonstrar no que está amparado suas alegações, e qual embasamento legal foi e deve ser utilizado para julgar seu pedido procedente;
  6. Pedido: deve ser ratificada a sua peça inicial, demonstrando que seus argumentos foram mais fortes e coerentes e por isso devem ser julgados procedentes.

O objetivo deste artigo é apenas a apresentação do tema, uma vez que este é muito amplo.

Depois dessa breve introdução sobre o tema, e uma breve explicação sobre a estrutura da impugnação, sugiro que você elabore sempre uma lista com tudo aquilo que deverá ser impugnado e foque primordialmente em se atentar aos detalhes. E lembre-se: a prática leva a perfeição!

Ainda tem alguma dúvida a respeito do tema? Deixe nos comentários!

Caso você esteja com uma demanda alta e precise de um advogado para elaborar uma impugnação à contestação, sem a necessidade de uma contratação efetiva, você pode contar com a Freelaw. Entenda melhor a seguir.

A plataforma criada para conectar advogados prestadores e advogados contratantes permite que seja feita uma contratação de serviços jurídicos na modalidade de assinaturas, assim como você assina plataformas streaming como Spotify, Netflix… Ou seja, você, enquanto contratante, tem muitas opções de profissionais para elaborar as peças que você tem necessidade; enquanto prestador, você vai receber pelas demandas de diferentes escritórios, levando seu nome para outras parte do país.

Clique aqui para se cadastrar gratuitamente, como prestador ou como contratante. E, se você quer saber como isso funciona, na prática, assista ao vídeo ao lado: