O empreendedorismo jurídico surge no mercado brasileiro de mais de 1 milhão de advogados como forma de se destacar frente à concorrência.

Sabemos que a boa gestão do escritório faz parte da jornada de sucesso. De forma simples, o empreendedorismo jurídico é um modelo de negócio em que os profissionais do direito ocupam o papel de gestores do seu escritório, obtendo lucro através da venda de produtos, como a consultoria jurídica. 

A advocacia 4.0 cobra que o advogado pense para além do óbvio e dos procedimentos de praxe, desenvolvendo uma visão sistêmica e orgânica do escritório, conhecendo seu mercado, seu cliente e seus objetivos.  

Como surgiu o empreendedorismo jurídico? 

Num país com mais de 1 milhão de OABs ativas, foi necessário buscar alternativas fora da curva e assim surgiu o que conhecemos como empreendedorismo jurídico. Ou seja, surgiu com o propósito de sobrevivência em um mercado concorrido e conservador.   

Em um cenário de concorrência extrema, principalmente no tocante à carreira pública, o empreendedorismo jurídico caiu como uma luva. Com técnicas que replicam boas práticas em um período curto de tempo, ou ainda, com soluções mais tecnológicas, como as lawtechs, o empreendedorismo jurídico vem conquistando cada vez mais seu espaço. 

Se é do seu desejo entender melhor sobre o surgimento no empreendedorismo jurídico, recomendamos que ouça nosso episódio 59 do Lawyer to Lawyer:

O mercado jurídico e a necessidade do empreendedorismo 

Assim como o mercado geral, o mercado jurídico vem se transformando ao longo dos tempos. Como já citamos, em um país que possui mais de 1 milhão de OABs ativas é bastante desafiador se imaginar crescendo e disputando espaço com os demais. 

Com a ampla concorrência, fica cada vez mais difícil se sobressair dos demais, mas não é impossível. Acreditamos que a resposta para essa problemática seja, entre outras, o empreendedorismo jurídico! Empreender e inovar, são palavras que caminham e trabalham juntas. Correr do óbvio nem sempre é fácil, mas certamente renderá bons frutos. 

Quais são as causas da falência dos escritórios de advocacia?

Para empreender é preciso inovar! Mas isso não se resume somente a essa frase, e por não ter conhecimento nem planejamento adequado, muitos escritórios acabam falindo. A falta de noções básicas do empreendedorismo acabam por ser grandes aliadas das falências dos escritórios advocatícios. 

O planejamento estratégico é fator imprescindível para o sucesso do seu empreendimento, seja ele advocatício ou não. É necessário que os advogados comecem a enxergar seu escritório como uma empresa que tem por produto a prestação de serviços jurídicos. Entendemos que num cenário tão competitivo, já não vale mais a pena que o advogado se preocupe apenas com questões exclusivamente do direito. 

Sabemos que os advogados se formam em direito para serem advogados, não administradores ou empreendedores. Porém, os tempos e exigências mudam, com isso, um advogado que se preocupa somente com área jurídica, acaba por perder pormenores de outras partes que geram e são essenciais para o bom funcionamento e o sucesso, consequentemente, do escritório. 


Como superar os desafios pós-pandemia?

A pandemia trouxe diversos desafios e perdas a serem enfrentadas, o âmbito profissional não foi adverso a essa realidade. 

Na área advocatícia, as audiências passaram a ser online, o contato com o cliente se tornou remoto e o diálogo com as equipes passaram a ser por meio de plataformas digitais. 

Frente a diversos desafios pessoais, humanísticos e profissionais, muitos escritórios fecharam suas portas. Mesmo em um cenário não propício, acreditamos em você e na sua capacidade de se reinventar! 

Pensando nisso, dedicamos o episódio 48 do podcast da Freelaw sobre a gestão de escritórios de advocacia, para você saber por onde começar, como começar e quando! Confira já: 

Quais as vantagens em empreender na advocacia?

As possibilidades são bastante amplas e promissoras. Ter a ciência de que seu escritório jurídico é uma empresa te colocará num patamar de maior excelência com as entregas e execuções dos serviços jurídicos. Se houver mais organização e planejamento estratégico, significa que haverá mais agilidade.

Existem diversas vantagens para se empreender na advocacia, por isso listamos as que consideramos principais: 

  • como já falamos, mais excelência e agilidade para executar o trabalho; 
  • previsibilidade financeira; 
  • redução de sobrecarga de trabalho (acreditamos que você fará uma boa gestão e delegação de tarefas, ok?);
  • trabalho mais conciso e crescimento orgânico;
  • captação de clientes por meio da internet.

Como os escritórios estão empreendendo na prática?

Se tivéssemos uma receitinha de bolo de como empreender, pode ter certeza, nós te daríamos, mas infelizmente ela não existe. Por isso, vamos te oferecer algumas sugestões, mas, lembrando sempre que cada escritório tem suas próprias particularidades e necessidades. 

A primeira coisa que deve ser feita é a definição do que é prioridade para o escritório, entendendo quais as maiores dificuldades e possíveis soluções aplicáveis. Às vezes, tudo o que o escritório precisa para se tornar uma empresa é o pontapé inicial e o conhecimento acerca da gestão. 

Lawtechs e legaltechs

Nem todo problema se resolve com uma tecnologia nova, há casos em que uma gestão assertiva já preenche as lacunas e soluciona os problemas.

Porém nem sempre é assim. E, se esse for o caso, faça uma aliança com a tecnologia de uma vez por todas! As lawtechs e as legaltchs existem para te auxiliar na caminhada para o sucesso, use a abuse das ferramentas que mais casam com seus objetivos. Essa é a solução que muitos escritórios estão aplicando para facilitar o dia a dia advocatício. 

Utilize contratos inteligentes, legal design e outras ferramentas que sanem suas demandas, implemente o seu negócio com as novas possibilidades do direito 4.0.

Temos artigos super interessantes sobre cada um desses temas! Salve os links abaixo para conferir depois:

Áreas jurídicas em ascensão 

É importante atentar-se às novidades! A Lei Geral de Proteção de Dados ou LGPD, por exemplo, é uma área jurídica em constante desenvolvimento e ascensão. O mercado é competitivo, mas não saturado. Áreas como o direito da propriedade intelectual também vem avançando, isso porque, com o avanço das tecnologias cada vez mais nos deparamos com coisas iguais feitas por pessoas diferentes, desde música, até roupas. 

Inovação no dia a dia da advocacia 

Essa é uma tecla que fazemos questão de sempre bater. Inovar é preciso e necessário! É preciso inovar na forma com que você capta seu cliente, se comunica e o fideliza, inovação e persistência são chaves mestras para se chegar em algum lugar. 

Inovação não é sinônimo de gastos de dinheiro, mas sim de aprendizado funcional. É preciso se adaptar ao mercado, garantindo seu espaço por meio de qualidade, agilidade e excelência. 

Como digitalizar um escritório de advocacia?

Inovação e tecnologia somente se tornam um diferencial competitivo quando estão presentes no dia a dia interno do escritório. Uma das formas da digitalização do escritório de advocacia consiste na centralização total das informações do escritório. Ou seja, significa que tudo o que está no “mundo físico” deverá constar também no mundo online. 

Por outro lado, se essa possibilidade não condiz com a realidade ou a necessidade da sua empresa/escritório, recomendamos a digitalização de documento, que já se apresenta como uma boa aliada. Para isso, é necessário obter um GED, que é o sistema de gerenciamento eletrônico de documentos. 

Para ambos os casos, é preciso adotar um software jurídico. Existem diversos no mercado, com diversas funcionalidade e atribuições, estude primeiro sua realidade e após isso, veja o que melhor se encaixa e ela. Não se trata de um processo rápido, mas certamente renderá bons frutos. 

Como conseguir mais clientes de forma ética?

Já tratamos desse tema por aqui! Por isso, se você quer se aprofundar sobre a captação de clientes de forma ética, te recomendamos o artigo “Marketing jurídico: como atrair clientes por meio da internet”.

O marketing jurídico é uma boa solução. Sabemos que é vedada a propaganda agressiva de serviços jurídicos, tais como, outdoors, propagandas televisivas e em rádio, porém, o Código de Ética da OAB não veda a criação de conteúdo de valor para atrair e fidelizar clientes. 

Assim, para conseguir obter clientes de forma ética e sem burlar regras, siga os passos que te ensinamos em nosso artigo acima!

Como dividir tarefas administrativas e jurídicas em seu escritório? 

A divisão e delegação de tarefas geralmente demonstram o quão bom administrador você é! Nós da Freelaw desejamos que você seja um excelente administrador, por isso te convidamos a conferir a live que fizemos, especialmente sobre essa temática:

Após conferir todo o conteúdo, coloque em prática dentro da realidade do seu empreendedorismo jurídico.

Agora analise tudo o que você aprendeu, delegue as funções administrativas e jurídicas para os responsáveis e pronto, dividiu cada demanda específica para um setor/pessoa específica. 

O que é um fundo de reserva? Por que o seu escritório deveria ter um? 

O fundo de reserva é o ato de destinar parte do lucro do escritório para a criação de uma reserva financeira. 

Mas qual o objetivo? Basicamente, assegurar que a liquidez será suficiente para arcar com as despesas inesperadas e situações emergenciais. 

Acreditamos que seu escritório deve ter um porque no final das contas, tudo é muito imprevisível, e sabe aquela história de que “prevenir é melhor que remediar”?  Pois é, esse fundo de reserva poderá te tirar de apuros. 

Sendo assim, a resposta para lidar com situações inesperadas e dispendiosas é criar e investir em um fundo de reserva! 

Como criar procedimentos internos para o seu escritório de advocacia? 

Auditorias são sempre uma excelente saída para identificarmos quais os procedimentos internos necessitam de mais atenção para a execução. Lembra da lista de divisão de tarefas administrativas e jurídicas?  Se baseie nela e comece a criar seus procedimentos internos. 

Procedimentos como fluxo de caixa, pagamento de custas e outros devem ter sua devida atenção e cuidado. Por isso é interessante a criação e auditoria dos procedimentos. 

Como utilizar métricas e KPIs em seu escritório?

A princípio vale destacar que os KPIs são indicadores de desempenho, eles fornecem uma visão geral sobre os resultados do seu escritório de advocacia. Sem acompanhar as métricas de desempenho, o advogado estará apenas imaginando uma estimativa de resultado do seu negócio. 

Para implementar as métricas e KPIs, é preciso entender o objetivo que você tem com essa iniciativa, pois alguns KPIs podem ser mais interessantes que outros para atingir seu objetivo. Indicadores de “satisfação do cliente” e “ações executadas” são exemplos do que pode ser avaliado. Essa iniciativa é muito frutífera, pois corrige erros e vícios, fazendo com que eles não tornem a ocorrerem.  

Qual é o perfil do advogado empreendedor? 

O fato é que não existem requisitos formais para que os advogados se tornem empreendedores. No entanto, com base em nossos estudos e experiências entendemos que todos os advogados empreendedores devem seguir e estudar 4 princípios básicos. 

1. Aprender rápido, agir rápido e errar rápido

Os empreendedores não sabem e nunca saberão tudo. No entanto, é esperado que ele aprenda rápido, se não conhece um conceito, ele irá atrás, seja por pesquisas no Google, ou a partir de conversas com quem já é mais experiente no ramo. 

No empreendedorismo jurídico, também se sabe que é preciso agir rápido e cometer erros rapidamente. Sabemos que, até encontrar o caminho certo, o advogado tentará diversos caminhos para chegar ao resultado esperado, executar as tentativas, analisar os erros e finalmente encontrar a melhor alternativa.

O mais importante, os advogados empreendedores entendem que os erros fazem parte do processo do sucesso.

2. Utilizar tecnologias e inovações antes de outros advogados e escritórios 

Um empreendedor jurídico é aquele que age e pensa antes dos outros escritórios. O improvável é o novo, o empreendedor deve querer se aprofundar e entender essas tendências adaptando sua realidade a elas. Quanto antes o empreendedor se utilizar de tecnologias, mais diferente e exclusivo ele será perante o mercado. 

3. Focar em dados e métricas 

É necessário que o advogado baseie suas decisões em números, os resultados são os que demonstram o que é possível ou não, o correto ou não. Todos os dados e métricas relevantes devem ser analisados com frequência , isso define seus fluxos e crescimentos. 

4. Definir metas claras 

Mário Sérgio Cortella diz que quem não sabe onde quer chegar, qualquer lugar serve. Basicamente esse é o resumo que define esse tópico. Pegue lápis e um papel, responda essas três perguntas: 

  1. Qual o faturamento que você quer para esses próximos 12 meses? 
  2. Qual o patamar em que você quer se encontrar nos próximos 12 meses (pense nos melhores escritórios da sua cidade, em qual patamar você se encontra perante eles e em qual você deseja chegar)?
  3. Quais os seus objetivos com cada área do escritório e qual futuro você vê para seus advogados?  

E agora, o que fazer?

As ações e soluções que vamos dissertar não poderão ser aplicadas para todos os escritórios, pois cada uma tem suas particularidades. É importante entendermos as prioridades do seu escritório e, em seguida, entender seus problemas e possíveis soluções. 

Nós da Freelaw podemos te ajudar com as seguintes demandas: 

  • contrato de profissionais qualificados sob demanda e por um preço justo;
  • execução de serviços de sua área de especialidade, também sob demanda; 
  • conteúdos de valor para que você sempre entenda mais sobre o que o mercado jurídica espera de você;
  • todas as tendências do direito e tecnologia jurídica.

Empreendedorismo jurídico com a Freelaw 

A nossa missão é sempre trazer conteúdos de valor e te ajudar na busca pelo sucesso, por isso, trataremos mais a fundo em como a Freelaw pode ser uma grande aliada na sua trajetória. 

Expanda as áreas de atuação do seu escritório 

As parcerias jurídicas são uma alternativa que acreditamos que valha a pena. Isso porque a junção de atuação da sua área em conjunto com área diferente, traz um leque de possibilidade de casos que podem ficar sob seu patrocínio, o que aumenta a renda e funcionalidade do seu escritório, não existindo um limite territorial. Mas, lembre-se que quem quer fazer tudo, acaba por não fazer nada. 

Contrate advogados sob demanda 

Se você deseja ser um advogado online, a Freelaw é para você, se você deseja contratar um advogado online, a Freelaw é para você também. A contratação de advogados online e sob demanda é um fator direto na diminuição dos custos fixos do escritório. 

A contratação sob demanda para a execução de petições, contratos, consultas  e recursos é uma realidade, e nós nos comprometemos em sempre localizar os profissionais que sejam mais adequados para cada serviço requerido. Assim, se for para executar um serviço mais simples, indicaremos um advogado júnior, por exemplo. 

Clique aqui e se cadastre para saber mais sobre como realizar esse procedimento!

Agilidade e excelência para a sua empresa 

Com as parcerias que você pode firmar através da Freelaw, pode começar a dar adeus a papeladas de questões pendentes! Mesmo com essa delegação de tarefas, você continua com o controle de toda a execução do serviço, pois envia e controla as orientações, solicita modificações e esclarecimentos.

Sua equipe aumenta, mas seu espaço físico e estrutura podem continuar o mesmo. Garantimos a segurança das informações e geramos confiança nas relações entre as partes que celebram o contrato. Ou seja, muitos benefícios e o controle de 100% na execução das demandas. 

Os serviços entregues pela Freelaw sempre passam por um sistema de avaliação do profissional, como um “match inteligente”. Antes da celebração do contrato, o escritório recebe o acesso à informações acerca do advogado que pretende contratar. 

E quanto custa a execução de um serviço por meio da Freelaw? 

Os custos de um trabalho intermediado pela Freelaw vão variar de acordo com detalhes como dificuldade e urgência da demanda, por exemplo. Você vai entender melhor sobre isso no vídeo a seguir:

Ressaltamos que nós não interferimos na negociação da precificação do trabalho, essa parte é feita entre o contratante e o profissional. 

Conclusão: o empreendedorismo jurídico é o futuro da advocacia

Tudo está mudando rapidamente e precisamos acompanhar essas mudanças. Lembrando que isso não significa que você deve usar todos os softwares jurídicos, às vezes uma simples lista já ajuda. Estar pronto para o futuro, é estar aberto a um leque de possibilidades!

Se você gostou do conteúdo de hoje, não esqueça de deixar um comentário para a gente. Gostamos muito do seu feedback! Compartilhe esse artigo com seus amigos empreendedores jurídicos, temos certeza que eles irão gostar. 

Como retribuição pela leitura até aqui, receba em seu e-mail um e-book exclusivo da Freelaw: 

Sabemos que esse artigo te ajudou de alguma forma. Para colocar em prática conceitos como “planejamento estratégico”, que citamos ao longo dele, confira essa aula sobre o tema: Como criar um planejamento estratégico para seu escritório de advocacia.