Empreendedorismo jurídico: por que se tornar um advogado empreendedor?

O empreendedorismo jurídico surge no mercado brasileiro de mais de 1 milhão de advogados como forma de se destacar frente à concorrência.

Sabemos que a boa gestão do escritório faz parte da jornada de sucesso. De forma simples, o empreendedorismo jurídico é um modelo de negócio em que os profissionais do direito ocupam o papel de gestores do seu escritório, obtendo lucro através da venda de produtos, como a consultoria jurídica. 

E este modelo de carreira está se popularizando, já que permite aos advogados aproveitarem sua expertise para além do trabalho convencional. Nesse sentido, um advogado empreendedor – além da atuação jurídica – usa suas habilidades e conhecimentos para criar e gerenciar seus próprios negócios. Isso porque a advocacia 4.0 cobra que o advogado pense para além do óbvio e dos procedimentos de praxe, desenvolvendo uma visão sistêmica e orgânica do escritório, conhecendo seu mercado, seu cliente e seus objetivos.  

Portanto, para ser bem-sucedido como advogado empreendedor, é necessário equilibrar as demandas de ambas as áreas. Então, é importante investir em inovação, em tecnologia, manter-se atualizado e estabelecer uma rede de contatos eficiente.

Neste artigo, você vai entender os motivos pelos quais precisa desenvolver uma abordagem criativa, inovadora e com foco em resultados para a prestação de serviços jurídicos. São passos importantes para te manter em destaque neste mercado tão disputado!

Como surgiu o empreendedorismo jurídico? 

Num país com mais de 1 milhão de OABs ativas, foi necessário buscar alternativas fora da curva e assim surgiu o que conhecemos como empreendedorismo jurídico. Ou seja, surgiu com o propósito de sobrevivência em um mercado concorrido e conservador.   

Em um cenário de concorrência extrema, principalmente no tocante à carreira pública, o empreendedorismo jurídico caiu como uma luva. Com técnicas que replicam boas práticas em um período curto de tempo, ou ainda, com soluções mais tecnológicas, como as lawtechs, o empreendedorismo jurídico vem conquistando cada vez mais seu espaço. 

Abordamos um pouco mais sobre o surgimento do empreendedorismo jurídico no nosso episódio 59 do Lawyer to Lawyer: Os primórdios do empreendedorismo jurídico

O que é empreender na advocacia?

Assim como o mercado geral, o mercado jurídico vem se transformando ao longo dos tempos. Como já citamos, em um país que possui mais de 1 milhão de OABs ativas é bastante desafiador se imaginar crescendo e disputando espaço com os demais. 

Com a ampla concorrência, fica cada vez mais difícil se sobressair dos demais, mas não é impossível. Acreditamos que a resposta para essa problemática seja, entre outras, o empreendedorismo jurídico!

Empreender e inovar, são palavras que caminham e trabalham juntas. Correr do óbvio nem sempre é fácil, mas certamente renderá bons frutos. 

Sendo assim, um advogado empreendedor está à frente de uma gestão eficiente do escritório de advocacia, identificação de novas oportunidades de negócios, além de desenvolvimento de soluções personalizadas, diferenciadas e de alto impacto para os clientes.

Empreender na advocacia é ter uma visão estratégica, além de habilidades de liderança, gestão e marketing, para tornar o escritório de advocacia mais competitivo e bem-sucedido neste mercado.

Por que desenvolver habilidades empreendedoras na carreira de advogado?

Para empreender é preciso inovar! Sem inovação, e por não ter conhecimento nem planejamento adequado, muitos escritórios acabam falindo. A falta de noções básicas do empreendedorismo acabam por ser grandes aliadas das falências dos escritórios advocatícios. 

O planejamento estratégico é fator imprescindível para o sucesso do seu empreendimento, seja ele advocatício ou não. É necessário que os advogados comecem a enxergar seu escritório como uma empresa que tem por produto a prestação de serviços jurídicos. Entendemos que num cenário tão competitivo, já não vale mais a pena que o advogado se preocupe apenas com questões exclusivamente do direito. 

Sabemos que os advogados se formam em direito para serem advogados, não administradores ou empreendedores. Porém, desenvolver habilidades empreendedoras é importante na carreira de advogado por diversas razões, tais como:

  1. Diferenciação: as habilidades empreendedoras permitem aos advogados se destacarem e oferecerem soluções diferenciadas para seus clientes, tornando-se referência em seu segmento de atuação;
  2. Crescimento profissional: a capacidade de identificar novas oportunidades de negócios, além de gerir eficientemente o escritório, pode levar a um crescimento profissional e financeiro;
  3. Inovação: o pensamento empreendedor estimula a criatividade e a busca por soluções inovadoras, o que é fundamental na área jurídica, que está em constante evolução;
  4. Autonomia: ser um advogado empreendedor significa ter autonomia e ser responsável por sua carreira, o que pode trazer mais satisfação e realização profissional.

Em resumo, as habilidades empreendedoras são fundamentais para a carreira de um advogado, pois permitem uma abordagem mais estratégica e criativa na prestação de serviços jurídicos, além de propiciar o crescimento profissional e financeiro.

Desafios e oportunidades na jornada para se tornar um advogado empreendedor

Um dos momentos menos esperados por todos nós foi a pandemia. Este período nos trouxe diversos desafios e perdas a serem enfrentadas, o âmbito profissional não foi adverso a essa realidade: as audiências passaram a ser online, o contato com o cliente se tornou remoto e o diálogo com as equipes passaram a ser por meio de plataformas digitais. 

Frente a diversos desafios pessoais, humanísticos e profissionais, muitos escritórios fecharam suas portas. Então, a jornada para se tornar um advogado empreendedor sempre vai apresentar desafios e oportunidades que devem ser considerados e superados.

Alguns dos principais desafios incluem:

  1. Falta de conhecimento empreendedor: um dos maiores desafios para um advogado que não sabe como empreender na advocacia é a falta de conhecimento sobre o negócio.
    Advogados normalmente não estão familiarizados com as habilidades empreendedoras necessárias para gerenciar e crescer um escritório de advocacia. Além disso, a falta de conhecimento sobre as tendências e tecnologias na área jurídica pode limitar a capacidade do advogado empreendedor de inovar e ampliar seus negócios;
  2. Mentalidade tradicional: a cultura tradicional do setor jurídico tende a valorizar a estabilidade e a segurança em relação ao risco e à inovação. Isso pode levar os advogados a seguirem modelos de negócios já estabelecidos, ao invés de buscar novas oportunidades e soluções inovadoras.
    A resistência à mudança e à utilização de novas tecnologias e abordagens de negócios pode limitar a capacidade do advogado empreendedor de se destacar e expandir seus negócios. Por isso, é importante que os advogados empreendedores desenvolvam uma mentalidade aberta e inovadora, e estejam dispostos a aprender e experimentar novas abordagens e tecnologias;
  3. Concorrência acirrada: o mercado jurídico é altamente competitivo, o que pode ser um desafio para os advogados que desejam empreender.

Já as principais oportunidades incluem:

  1. Crescimento profissional: ser um advogado empreendedor permite ao profissional controlar sua carreira e alcançar um crescimento profissional mais rápido devido ao desenvolvimento de novas habilidades;
  2. Diferenciação no mercado: a capacidade de oferecer soluções inovadoras e personalizadas aos clientes pode tornar o advogado empreendedor referência em seu segmento de atuação;
  3. Maior satisfação profissional: ter autonomia e ser responsável por seu próprio sucesso pode trazer mais satisfação e realização profissional.

Quais são as habilidades mais importantes que um advogado empreendedor precisa ter para se destacar?

As vantagens de empreender na advocacia são bastante amplas e promissoras. Ter a ciência de que seu escritório jurídico é uma empresa te colocará num patamar de maior excelência com as entregas e execuções dos serviços jurídicos. Se houver mais organização e planejamento estratégico, significa que haverá mais agilidade.

Para isso, são necessárias algumas habilidades técnicas e empresariais para se destacar. Algumas dessas habilidades mais importantes incluem:

  1. Conhecimento jurídico: um amplo conhecimento das leis e regulamentos que afetam o negócio;
  2. Liderança: habilidade de liderar equipes e tomar decisões estratégicas;
  3. Comunicação: habilidade de se comunicar de forma clara e eficaz com clientes, equipes e parceiros de negócio;
  4. Inovação: capacidade de pensar fora da caixa e encontrar soluções criativas para problemas;
  5. Resiliência: capacidade de lidar com desafios e mudanças e encontrar maneiras de superar obstáculos;
  6. Espírito empreendedor: habilidade de identificar oportunidades de negócio e transformá-las em resultados concretos;
  7. Gestão financeira: conhecimento de como ter controle financeiro para escritórios de advocacia e gerenciar as finanças do negócio de forma eficiente.

Ter essas habilidades ajuda o advogado empreendedor a se destacar no mercado e a alcançar sucesso em seu negócio. Além disso, é importante que o advogado empreendedor continue aprendendo e se atualizando para manter-se relevante e competitivo no mercado.

Como os escritórios estão empreendendo na prática?

Se tivéssemos uma receitinha de bolo de como empreender, pode ter certeza, nós te daríamos, mas infelizmente ela não existe. Por isso, vamos te oferecer algumas sugestões, mas lembrando sempre que cada escritório tem suas próprias particularidades e necessidades. 

A primeira coisa que deve ser feita é a definição do que é prioridade para o escritório, entendendo quais as maiores dificuldades e possíveis soluções aplicáveis. Às vezes, tudo o que o escritório precisa para se tornar uma empresa é o pontapé inicial e o conhecimento acerca da gestão. 

Lawtechs e legaltechs

Nem todo problema se resolve com uma tecnologia nova, há casos em que uma gestão assertiva já preenche as lacunas e soluciona os problemas.

Porém, se esse for o caso, faça uma aliança com a tecnologia de uma vez por todas! As lawtechs e as legaltchs existem para te auxiliar na caminhada para o sucesso, use a abuse das ferramentas que mais casam com seus objetivos. Essa é a solução que muitos escritórios estão aplicando para facilitar o dia a dia advocatício. 

Utilize contratos inteligentes, legal design e outras ferramentas que sanem suas demandas, implemente o seu negócio com as novas possibilidades do direito 4.0.

Temos artigos super interessantes sobre cada um desses temas! Salve os links abaixo para conferir depois:

Áreas jurídicas em ascensão 

É importante atentar-se às novidades! A Lei Geral de Proteção de Dados ou LGPD, por exemplo, é uma área jurídica em constante desenvolvimento e ascensão. O mercado é competitivo, mas não saturado. 

Áreas como o direito da propriedade intelectual também vem avançando, isso porque, com o avanço das tecnologias cada vez mais nos deparamos com coisas iguais feitas por pessoas diferentes, desde música, até roupas.

Ouça o podcast: O que é a LGPD e como advogar nessa área?

Inovação no dia a dia da advocacia 

Essa é uma tecla que fazemos questão de sempre bater. Inovar é preciso e necessário! É preciso inovar na forma com que você capta seu cliente, se comunica e o fideliza, inovação e persistência são chaves mestras para se chegar em algum lugar. 

Inovação não é sinônimo de gastos de dinheiro, mas sim de aprendizado funcional. É preciso se adaptar ao mercado, garantindo seu espaço por meio de qualidade, agilidade e excelência. 

Como digitalizar um escritório de advocacia?

Uma das formas da digitalização do escritório de advocacia consiste na centralização total das informações. Ou seja, significa que tudo o que está no “mundo físico” deverá constar também no mundo online. 

Por outro lado, se essa possibilidade não condiz com a realidade ou a necessidade da sua empresa, recomendamos a digitalização de documento, que já se apresenta como uma boa aliada. Para isso, é necessário obter um GED, que é o sistema de gerenciamento eletrônico de documentos. 

Para ambos os casos, é preciso adotar um software jurídico. Existem diversos no mercado, com diversas funcionalidade e atribuições, estude primeiro sua realidade e após isso, veja o que melhor se encaixa e ela. Não se trata de um processo rápido, mas certamente renderá bons frutos. 

Leia o nosso artigo sobre softwares para advogados e utilize os que melhor se adequam à sua realidade.

Qual a importância de utilizar novas tecnologias para ampliar seus negócios?

A utilização de novas tecnologias tem sido fundamental para ampliar negócios na área da advocacia. Algumas das principais razões incluem:

  1. Aumento da eficiência: novas tecnologias, como inteligência artificial e automação, podem ajudar a automatizar tarefas repetitivas, como triagem de documentos e análise de dados, aumentando a eficiência do escritório e permitindo que os advogados se concentrem em tarefas de maior valor agregado;
  2. Redução de custos: a utilização de tecnologias digitais para gerenciamento de processos e documentos pode reduzir significativamente os custos de papel, impressão e armazenamento, além de aumentar a eficiência e a agilidade no gerenciamento de informações;
  3. Melhoria da qualidade do atendimento ao cliente: novas tecnologias, como plataformas de gerenciamento de casos, podem ajudar a melhorar a comunicação com os clientes, fornecer informações em tempo real sobre o andamento dos processos e garantir a entrega de resultados de alta qualidade;
  4. Diferenciação da concorrência: a utilização de novas tecnologias pode diferenciar o escritório da concorrência, aumentando a visibilidade do negócio e ajudando a atrair novos clientes, destacando a capacidade de fornecer soluções mais eficientes e inovadoras;
  5. Geração de novas oportunidades de negócio: novas tecnologias, como blockchain e análise de dados, estão gerando novas oportunidades de negócio na área jurídica, permitindo aos advogados empreendedores explorar novas áreas de atuação e ampliar seus negócios.

Como é possível equilibrar o trabalho como advogado com o empreendedorismo? 

A divisão e delegação de tarefas geralmente demonstra o quão bom administrador você é! Nós da Freelaw desejamos que você seja um excelente administrador, por isso te convidamos a conferir a live que fizemos, especialmente sobre essa temática: Live #030: Gestão e delegação de tarefas na advocacia

Após conferir todo o conteúdo, coloque em prática dentro da realidade do seu empreendedorismo jurídico. Pois, equilibrar o trabalho como advogado com o empreendedorismo pode ser desafiador, mas é possível com planejamento e organização:

  1. Priorize: estabeleça prioridades claras e trabalhe primeiro nas tarefas mais importantes;
  2. Delegue: contrate equipe ou parceiros de negócios para ajudar no gerenciamento do negócio;
  3. Estabeleça horários de trabalho claros: defina horários dedicados ao trabalho como advogado e ao empreendedorismo, e tente seguir estes horários o máximo possível;
  4. Aproveite a tecnologia: utilize ferramentas de gerenciamento de tempo e automatização para ajudar a equilibrar as demandas de ambas as áreas;
  5. Mantenha-se saudável: cuide de sua saúde física e mental para ter energia e clareza para enfrentar os desafios.

Lembre-se de ser flexível e estar disposto a ajustar seu equilíbrio conforme as necessidades mudem. A chave é encontrar o equilíbrio que funciona melhor para você e ser persistente nele.

Planejamento estratégico para alcançar o sucesso como advogado empreendedor

Procedimentos estratégicos que incluem análise de mercado e fluxo de caixa, por exemplo, devem ter sua devida atenção e cuidado. Por isso é interessante traçar estratégias de crescimento, que incluem:

  1. Definição de objetivos: primeiramente, é importante definir objetivos claros e mensuráveis para o escritório. Esses objetivos podem incluir metas financeiras, metas de crescimento, metas de atendimento ao cliente e metas de inovação;
  2. Análise do mercado e da concorrência: é importante compreender o mercado em que o escritório está inserido, as tendências, as oportunidades de negócio e seus principais concorrentes para identificar as oportunidades e desafios;
  3. Identificação de forças, fraquezas, oportunidades e ameaças (SWOT): essa análise permite identificar as forças e fraquezas do escritório, bem como as oportunidades e ameaças presentes no mercado;
  4. Desenvolvimento de estratégias: com base na análise de mercado e na análise SWOT, é importante desenvolver estratégias para atingir os objetivos definidos, incluindo estratégias de marketing, estratégias de atendimento ao cliente e estratégias de inovação;
  5. Ações concretas: é importante definir ações concretas para implementar as estratégias desenvolvidas, tais como o desenvolvimento de novos serviços, a aquisição de novos clientes, a capacitação dos funcionários, entre outras;
  6. Monitoramento e avaliação: por fim, é importante acompanhar e avaliar o desempenho do escritório e das ações implementadas para corrigir desvios e ajustar as estratégias conforme necessário.

Dicas de empreendedorismo jurídico da Freelaw 

A nossa missão é sempre trazer conteúdos de valor e te ajudar na busca pelo sucesso, por isso, trataremos mais a fundo em como a Freelaw pode ser uma grande aliada na sua trajetória. 

1. Contrato sob demanda: expanda as áreas de atuação do seu escritório 

A junção de atuação da sua área em conjunto com área diferente traz um leque de possibilidade de casos que podem ficar sob seu patrocínio, o que aumenta a renda e funcionalidade do seu escritório, não existindo um limite territorial. 

E isso pode ser feito por meio de um plano de assinatura ou de serviços sob demanda, pelo qual os advogados se cadastram e delegam a elaboração de suas petições a advogados especializados. Você pode conhecê-lo melhor, clicando neste link.

Ah, e se você deseja ser um advogado online, a Freelaw também é o seu lugar! Você pode se cadastrar gratuitamente para saber mais sobre prestação de serviços por meio da nossa plataforma, aqui.

2. Atualização frequente  

Aprender mais sobre as atualizações do mercado jurídico é algo que precisa estar inserido na sua rotina. Sendo assim, semanalmente, a Freelaw aborda pautas importantes, como empreendedorismo e gestão jurídica, por meio da newsletter. 

Assine-a, clicando aqui, e receba conteúdos frequentes focados na melhoria do seu escritório de advocacia.

Conclusão: o empreendedorismo jurídico é o futuro da advocacia

Tudo está mudando rapidamente e precisamos acompanhar essas mudanças. Lembrando que isso pode ser feito com um passo de cada vez, mas com seriedade e constância.. Estar pronto para o futuro, é estar aberto a um leque de possibilidades!

Para agregar ainda mais nos seus conhecimentos, faça o download gratuito do e-book exclusivo da Freelaw: 

E, se você gostou deste conteúdo, acreditamos que irá gostar também das lives abaixo:

Este conteúdo foi extraído de uma conversa entre Gabriel Magalhães e Júlia Resende, descontraída e extremamente importante para advogados que querem criar presença digital e conquistar clientes pelas redes sociais. Essa conversa é o episódio 172 do Lawyer to Lawyer, o podcast da Freelaw, que você pode ouvir enquanto vai para o escritório!

Acesse o episódio completo pelo YouTube ou pelo Spotify.

Compartilhe

Elabore o dobro de petições sem contratar mais advogados internos

Delegue todas as petições do seu escritório, avalie diferentes advogados e recontrate os profissionais da sua confiança de forma simples e rápida.

Acesse 9.000 advogados para o seu escritório para elaborar petições

Elimine a dor de cabeça causada pela falta de tempo na advocacia!

Delegue suas petições, avalie diferentes advogados e recontrate aqueles da sua confiança.

Fale com um de nossos consultores:

Fale com um Especialista

Obrigada!

Estamos enviando o material para seu email...

Experimente a assinatura freelaw e saia na frente da concorrência

Cadastre-se na plataforma gratuitamente e comece a delegar seus casos.

Você também pode chamar nosso time de vendas no whatsapp agora e receber uma oferta personalizada para seu negócio.

Converse com um dos Consultores da Freelaw para delegar petições