O departamento jurídico das empresas sempre foi visto como um dos maiores “centros de custos”.

Mas essa visão vem sendo modificada nos últimos dez anos…

A globalização e o desenvolvimento tecnológico atual impõem a necessidade de diminuição de custos e aumento da eficiência pelas empresas. Os departamentos jurídicos, nesse contexto, são introduzidos como forma de atender às expectativas de executivos mais revolucionários e gerar mais valor econômico para o negócio. 

Contudo, são inúmeras as dificuldades para o departamento jurídico se transformar em centro de lucro e de geração de valor econômico

Um departamento jurídico com bom desempenho, boa performance e que gere lucros deve ser bem estruturado, possuir boa comunicação interna e com os demais setores da empresa, e estar sempre bem informado. 

Atualmente, deve também agir como parceiro da empresa, atuando de forma ativa, informando e melhorando a produtividade, não apenas entrando em ação para defender e ajuizar ações.  

Para atender às expectativas dos gestores e se adequar aos modelos de melhor desempenho, os departamentos jurídicos precisam se reinventar e fazer uso das novas tecnologias.

Como a tecnologia pode ajudar na eficiência e na economia pelo departamento jurídico? 

Leia o nosso post até o fim para entender!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

Mudança de visão sobre o departamento jurídico

Uma das habilidades mais valorizadas das empresas bem-sucedidas é a de performar bem, tanto em períodos econômicos estáveis, quanto em turbulentos.

Com a crise de 2008, os executivos das empresas começaram a pensar em como o departamento jurídico poderia ajudar no sucesso econômico da empresa, obtendo mais resultados com menos custos. 

Desde então, segundo estudo da Deloitte, a noção de que o departamento jurídico deve funcionar apenas como um escritório de advocacia interno está sendo substituída por uma visão comercial.

Os advogados internos estão passando a ser verdadeiros business partners e trabalhando além de suas especializações jurídicas.

No novo contexto tecnológico, espera-se que o departamento jurídico interno participe cada vez mais das decisões estratégicas das empresas.

Sendo, assim, de fato, um aliado para o sucesso econômico da organização.

Contudo, o problema é que essa não é a única função esperada do departamento jurídico. 

Além de serem aliados comerciais, espera-se que o departamento jurídico delegue cada vez menos serviços aos escritórios de advocacia.

A verdade é que as empresas procuram as soluções mais eficientes e menos custosas para alcançar a saúde financeira. 

Neste contexto, o departamento jurídico interno deverá entregar cada vez mais valor, com o mínimo de gastos possíveis.

Como isso é possível? 

A resposta passa necessariamente pelo uso das soluções tecnológicas (lawtechs e legaltechs) em favor dos advogados internos!

A realidade do departamento jurídico interno das empresas

Segundo relatório de 2016 da Thomson Reuters, apenas 2% dos departamentos jurídicos internalizam as demandas jurídicas das empresas.

Em regra, a maioria das empresas contratam escritórios de advocacia terceirizados para conduzirem os processos da companhia.

Por meio do infográfico abaixo, o Relatório mostrou as proporções dessa contratação.

Departamento Jurídico: Foto de um relatório sobre Departamento Jurídico

O problema dessa cultura da terceirização das demandas jurídicas para os escritórios é o encarecimento dos serviços das empresas.

Ademais, o departamento jurídico conhece melhor os processos internos e os riscos do negócio.

Por isso, em tese, seriam os advogados internos os mais adequados para conduzir os casos…

A alternativa para alcançar a redução de custos seria justamente a internalização das demandas das empresas.

Mas aliar isso à redução de custos e ao aumento da eficiência do departamento jurídico, é sem dúvidas uma tarefa difícil de se tangibilizar.

Isso, porque, atualmente, a  maior parte dos departamentos jurídicos ainda se vale dos processos manuais e dos documentos em papéis.

Falamos mais sobre o que os departamentos jurídicos esperam dos escritórios de advocacia no episódio #31 do Podcast Lawyer to Lawyer. Confira:

A verdade é que para atingir as expectativas econômicas dos executivos, os departamentos deverão investir em métodos eficientes e atualizados. Uma forma prática de implementar a inovação é usar (e abusar) de automações, IA e Analytics.

Automação de documentos

A automação de documentos permite a elaboração e gestão de contratos pelo departamento jurídico com mais eficiência e rapidez. É uma forma de aumentar, senão maximizar, a produtividade do departamento

As soluções de automação permitem ainda a redução das chances de erros e a melhora na padronização dos documentos da empresa.

Analytics

As soluções de Analytics permitem a previsão de custos pelo departamento com maior precisão.

Além disso, essas permitem o aumento da inteligência do negócio e podem assessorar as operações estratégicas da empresa.

Inteligência Artificial

Por fim, a Inteligência Artificial ajuda os advogados internos a focar nas atividades complexas, estratégicas e de alto valor para a empresa!

A IA também auxilia os advogados em atividades mecânicas e repetitivas e pode auxiliar na tomada de decisões para melhoramento de resultados.

A longo prazo, a aplicação dessas tecnologias diminui drasticamente o tempo, a mão de obra e, consequentemente, os custos necessários para cada operação.

O aumento da eficiência e a redução dos custos por meio da tecnologia

Nas palavras do fundador da BCG, Bruce Henderson,

O sucesso no passado sempre se consagra no presente pela supervalorização das políticas e atitudes que acompanharam esse sucesso.

É preciso sempre estar atento às tendências da atualidade e entender que as práticas utilizadas para obter sucesso no passado não necessariamente serão as mesmas necessárias para um empreendimento de sucesso no futuro.

Por isso, para passar de um setor de custos para um setor de lucros, o departamento jurídico interno deve parar de supervalorizar práticas passadas.

A internalização de demandas, a utilização de advogados internos para decisões estratégicas e a necessidade de redução de custos, requer mudanças de práticas passadas.

A forma de conseguir todos esses objetivos almejados pelas organizações atuais é justamente com a aplicação da tecnologia e com a mudança da cultura organizacional.

No Brasil, já existem mais de 100 lawtechs e legaltechs com soluções para otimizar os trabalhos jurídicos e ajudar na concretização desses objetivos.

O desafio maior está em parar de supervalorizar as práticas do passado para alcançar o sucesso no futuro.

Afinal, a “fórmula para o sucesso” é modificada de acordo com a realidade experienciada…

A realidade da quarta revolução industrial – ou Revolução 4.0 –  que vivemos hoje é pautada em inovação, tecnologia, e maior produtividade e resultados com menos custos e em menor tempo.

E isso só é possível com a otimização do trabalho humano intelectual por meio da tecnologia. Concorda?

Para conhecer as soluções tecnológicas brasileiras que podem ser úteis para departamentos jurídicos internos, e entender melhor como utilizar a tecnologia e como inovar na prática, confira nossa aula gratuita sobre o assunto:

Seu departamento jurídico já aderiu às práticas atuais para melhorar o desempenho e geração de lucros? Comente sobre sua experiência!