Realizar o cálculo de FGTS dos colaboradores é uma das funções do Departamento de Pessoas de uma empresa. 

Como uma espécie de poupança, o valor é concedido aos colaboradores como forma de auxilio para diversas situações, mas o que muitos ainda têm dúvidas é sobre como seu cálculo de FGTS é feito. Tomando por base o salário bruto do empregado, os depósitos devem atender uma série de requisitos. 

O procedimento deve ser feito com base na legislação trabalhista, como forma de evitar qualquer prejuízo à empresa e, também, garantir a observância dos direitos dos empregados.

Nesse artigo iremos esclarecer pontos importantes sobre o cálculo de FGTS, além de trazer um passo a passo detalhado para você consiga realizá-lo! 

O que é o FGTS e como funcionam os depósitos?

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço é um direito do trabalhador brasileiro, com registro em CTPS. 

Como uma espécie de poupança, o valor é concedido aos colaboradores como forma de auxílio para diversas situações como adquirir a tão sonhada casa própria. 

Sendo assim, no momento da contratação pelo regime celetista, imediatamente é aberta uma conta junto à Caixa Federal, para onde serão destinados os depósitos do Fundo de Garantia daquele emprego específico. 

Como iremos esclarecer mais a frente, o cálculo de FGTS para os depósitos deverão considerar o salário bruto do empregado.  

Leia “Advogado online: saiba tudo sobre o trabalho jurídico remoto“.

Como fazer o cálculo de FGTS do valor devido?

Como muitos dos trabalhadores contratados pelo regime celetista já devem saber, o depósito do valor destinado ao FGTS é equivalente a 8% do valor do salário bruto do colaborador. Ou seja, o cálculo de FGTS da porcentagem deve ser realizado sobre o valor cheio do salário, sem quaisquer descontos. 

Importante lembrar que essa porcentagem será diferente para casos específicos como, por exemplo, menores aprendizes (2%) e empregados domésticos (11,2%, sendo que 8% refere-se ao depósito mensal em 3,2% à antecipação do recolhimento rescisório). 

Como dito acima, a base de cálculo de FGTS não considera os descontos que recaem sobre o salário do colaborador, portanto, leva consideração e incide sobre acréscimos como hora extra, aviso prévio trabalhado, 13° salário, adicional noturno e gratificações. 

Vamos a um exemplo prático:

Maria, assistente de contabilidade, empregada da empresa XYZ, contratada pelo regime celetista, tem em sua folha de pagamento o registro de salário bruto no valor de R$ 3.590,00, sendo R$ 3.200,00 referente ao salário, R$ 200,00 referentes às horas extras e R$ 190,00 à adicional noturno.  

Sendo assim, mensalmente, o depósito de FGTS feito pela empresa XYZ deve ser no importe de R$ 287,20, ou seja, 8% do salário bruto. 

O saldo de FGTS gera rendimentos?

Essa pode ser uma dúvida muito frequente entre os trabalhadores brasileiro e a resposta é SIM! 

Mensalmente o saldo depositado na conta vinculada de FGTS atualização monetária na base da Taxa Referencial, a chamada TR, mais juros de 3% ao ano. 

O que ocorre, atualmente, é que a TR está zerada desde 2017, o que nos dá a falsa impressão de que o saldo ali depositado permanece o mesmo ao longo dos anos. 

Leia também “Petições online: cumpra prazos jurídicos com eficiência“.

Como calcular a multa devida na rescisão contratual?

Nos casos de demissão sem justa causa, é devida ao colaborador, dentre outras verbas rescisórias, multa referente a 40% sobre o saldo de FGTS. 

Essa porcentagem deve considerar a totalidade dos depósitos feitos pela empresa ao longo do período de vigência do contrato de trabalho. 

Vale lembrar que a eventualidade de um saque emergencial na conta vinculada de FGTS não altera a forma de cálculo! 

Ou seja, a empresa deverá calcular a multa rescisória sobre o montante resultante da soma de todos os depósitos devidos àquele empregado até o momento da rescisão contratual. Fique atento a isso!

Como consultar o saldo do FGTS?

Hoje em dia o empregado que possua conta vinculada de FGTS conta com quatro formas distintas para acompanhar os pagamentos e consultar seu saldo. Vamos a cada uma delas:

  • Internet Banking: basta baixar o aplicativo da Caixa Econômica Federal no seu celular, autorizar uma senha e seguir o caminho até a conta de FGTS. Ali será possível ver o saldo atualizado; 
  • Site da Caixa: para isso basta acessar o site da Caixa Econômica Federal de qualquer computador com conexão segura à internet, preencher os campos para login e realizar a consulta; 
  • SMS: basta que se dirija à uma agência da Caixa Econômica Federal ou acesse o site oficial da instituição, e informe ao atendente o desejo de receber, mensalmente, a atualização de sua conta vinculada ao FGTS pelo seu celular, via SMS Essa modalidade substitui, atualmente, a carta enviada pela instituição; 
  • Aplicativo Meu FGTS: basta procurar o aplicativo “MEU FGTS” na loja oficial do seu smartphone, baixá-lo e cadastrar seus dados. A partir daí, será possível consultar seu saldo de FGTS, atualizado, sempre que desejar!

Como todas as tarefas destinadas aos seres humanos, essa também é passível de erros, por isso, fique sempre atento ao correto cálculo de FGTS e consulte com frequência a regularidade deles. 

Gostou desse artigo? Leiam também o texto sobre Reclamação Trabalhista e saibam tudo sobre o que é preciso para a estruturação da peça e o ajuizamento de uma ação.

Bônus: demanda trabalhista, como lidar com o excesso de trabalho no meu escritório de advocacia?

A rotina nos escritórios de advocacia nem sempre é fácil. Pensando em não deixar de atender às demandas dos seus clientes, a Freelaw trabalha com uma plataforma digital que une advogados freelancers a escritórios de advocacia, para cumprir demandas pontuais, por meio da contratação flexível. Isso pode ser feito, por exemplo, para a realização de petições iniciais da área trabalhista. Quer saber como funciona? Assista ao vídeo abaixo:

Se você gostou da ideia, cadastre-se na nossa plataforma agora, por aqui, e solicite o seu primeiro serviço gratuitamente!