Por muito tempo, a advocacia home office foi uma realidade muito distante da prática jurídica. Isso porque a tradição laboral seguida pelos profissionais do direito sempre foi resistente às mudanças. Para muitos advogados, a máquina de escrever, por exemplo, demorou bastante para ser trocada pelo word. Dessa forma, é nítido perceber que o caminho para a advocacia era padronizado: ingressar na faculdade de direito, estagiar, se formar, conquistar a carteirinha da OAB e abrir ou trabalhar em um escritório.

Falar sobre advogado home office, ou qualquer outra forma de advocacia online, era algo utópico (e ainda é, para muitos), ou que soa absurdo e impraticável. Aderir ao home office, para um advogado, significa tentar vencer uma barreira de tradições e de conservadorismos, tratadas com preconceito por parte da sociedade. Porém, a tecnologia e a inovação mudaram as formas de exercer o direito e trouxeram novas possibilidades, inclusive após a pandemia do novo coronavírus.

Você se enxerga nessa situação? Fique conosco até o fim deste artigo. Você vai esclarecer as suas dúvidas sobre como essa nova forma de trabalhar é possível, utilizando ferramentas de gestão modernas, técnicas para captação de clientes e marketing jurídico, aumentando a qualidade dos serviços que você presta.

Transformação digital, COVID-19 e a advocacia home office

A advocacia 4.0, especificamente, é acompanhada de várias formas de exercer a advocacia, e o advogado home office é apenas uma delas. Nesse âmbito, os advogados empreendedores começaram a perceber que os custos de alugar uma sala, mobiliar o local, sentar em uma cadeira e esperar que novos clientes entrem eram muitos altos. Dessa maneira, advogados com o desejo de trabalhar com liberdade, nos seus próprios termos, com flexibilidade, de forma mais criativa e sem amarras geográficas, estão optando pelo empreendimento em casa ou em salas coworking.

Um fator que impactou muito na readequação dos escritórios de advocacia para o modelo remoto foi a pandemia da covid-19. A partir desse episódio de escala global, até mesmo os escritórios mais tradicionais se viram obrigados a gerirem as suas equipes jurídicas de uma forma na qual não estavam acostumados. A advocacia online, nesse sentido,

Portanto, a evolução tecnológica somada a fatores como a crise sanitária mundial do coronavírus requereram dos advogados a capacidade de inovação. Sobre isso, a advogada Mariana Gonçalves cedeu entrevista ao posdcast Lawyer to Lawyer, da Freelaw:

A busca pelo equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional está em alta no mercado atual e a nova geração tem buscado novas alternativas de trabalho. Mas, como ser um advogado home office na prática? Por onde começar? Como sair do óbvio no tradicional mercado do direito? Os advogados Pablo Mourente e Rogério David já trabalham dessa forma há mais de dez anos. Se você se interessar em conhecer a rotina deles, só ouvir o episódio do Lawyer to Lawyer abaixo:

Ferramentas tecnológicas e de gestão para se tornar um advogado home office

imagem 1 - advocacia Home Office

Para começar a se tornar um advogado home office, inicialmente, é preciso ter: tempo à disposição, um notebook, um celular e uma boa conexão com a internet. Algumas ferramentas digitais e aplicativos também podem ajudar. 

Ferramentas digitais gratuitas que podem ser úteis:

Confira aqui uma avaliação e explicação completa sobre essas 4 ferramentas digitais. Quanto aos aplicativos, as opções são muitas, e você pode conferir uma lista de 13 aplicativos para advogados, explicados e avaliados.

Sabendo que a maioria dos processos judiciais novos são eletrônicos e que os atendimentos aos clientes podem ser feitos por telefone, videoconferência ou e-mail, o home office para advogados tem se tornado cada vez mais vantajoso. Assim, com o esquema home office montado, torna-se possível produzir de qualquer lugar do mundo.

Por um lado a flexibilidade e a liberdade resolvem o problema dos custos iniciais e a rotina engessada. Contudo, ser um advogado home office implica em alguns desafios. Nessa ótica, o bem-estar e a produtividade de quem consegue usar toda rede tecnológica a seu favor e otimizar tempo sem precisar sair de casa devem estar bem alinhados. Ademais, a falta de uma equipe jurídica, a sobrecarga de trabalho, a captação de clientes e organização do negócio devem ser pensadas.

Pedro Custódio, um advogado que já pratica a advocacia home office, compartilha sua experiência no podcast Lawyer to Lawyer. Confira o episódio:

Além dos recursos mencionados, pode ser interessante buscar lawtechs e legaltechs para gerenciar processos, conectar-se com outros profissionais, buscar modelos de petições e aumentar a eficiência do escritório. Nesse sentido, os advogados podem utilizar as ferramentas tecnológicas para expandir sua rede, diminuir seus custos fixos, otimizar procedimentos e aumentar sua eficiência.

Marketing jurídico e as ferramentas de captação de clientes

imagem 3 - advocacia Home Office

Por muito tempo, os advogados utilizavam técnicas tradicionais de captação de clientes. Entretanto, com o marketing digital, surgiram novas possibilidades, permitidas pelo Código de Ética da OAB. Sendo assim, criar um blog, produzir conteúdos em vídeo, textuais e em áudio podem ser uma excelente estratégia para atrair o seu público-alvo.

Além de novos clientes, uma boa estratégia de marketing jurídico, mais especificamente de inbound marketing, poderá fortalecer o branding, ou seja, a marca do escritório. Dessa maneira, é possível criar um melhor relacionamento com atuais clientes e ajudar pessoas que sequer são seus clientes – mas que podem se tornar.

Quando as pessoas acessam um conteúdo relevante, elas se tornam mais próximas do seu negócio e te enxergam como autoridade no assunto. Por isso, se você é especialista em direito do trabalho, por exemplo, pode ser interessante produzir conteúdo sobre dúvidas comuns que as pessoas possuem sobre o tema, discussões atuais e possíveis inovações na legislação. A partir disso, naturalmente os clientes e os futuros clientes entendem melhor a proposta dos serviços oferecidos por você e se tornam admiradores do seu trabalho. 

Contudo, lembre-se sempre: seja transparente com os seus clientes. Na sua relação com eles, exponha a sua forma de trabalhar – condições, prazos e resultados -, despertando uma lealdade entre as partes e demonstrando que o home office é possível na advocacia.

Dessa forma, quando algum cliente precisar de serviços jurídicos, o seu nome estará tão fixado na mente dele, que ele não hesitará em entrar em contato.

Ferramentas de captação de clientes

As redes sociais são os principais canais para divulgação do conteúdo, como o Facebook, o Twitter, o LinkedIn, o Instagram, entre outras. Contudo, é importante entender onde o público-alvo está para gerar valor e ser mais assertivo para ele. Por exemplo, se o seu público é mais jovem, o Instagram pode ser uma boa alternativa; se é composto por pessoas mais velhas, talvez a melhor rede será o Facebook ou o LinkedIn.

Além disso, é importante que a estratégia do escritório não se resuma as redes sociais. É preciso integrá-las com estratégias via e-mail, por meio de site, em blog e em outros canais. Alguns exemplos de canais para distribuição:

  • Blogs;
  • E-mails marketing;
  • Redes sociais;
  • Lista de Transmissão no WhatsApp;
  • Newsletter semanal;
  • Mídias pagas (Google, Facebook e Instagram Adwards).

Criação de landing pages

Uma estratégia que tem sido bem utilizada são as landing pages. Trata-se de páginas com menos elementos que as tradicionais, cujo principal objetivo é a conversão de pessoas que acessam o site em clientes. Nesse caso, o ponto fundamental é atrair as pessoas certas e fazer com que elas consumam cada vez mais conteúdos.

Em geral, as landing pages requerem que os visitantes preencham formulários em troca de materiais ricos, por exemplo, e-books, infográficos e planilhas.

Para aumentar a eficiência do marketing, você pode continuar implementando as estratégias tradicionais. E, aos poucos, desenvolver uma estratégia de marketing jurídico utilizando técnicas growth hacking e de inbound marketing. Abordamos esses conceitos com profundidade no nosso Manual Completo sobre Marketing Jurídico“.

Criando uma equipe jurídica online

Pessoas trabalhando em equipe - advocacia home office

Quando o seu escritório começar a captar clientes, será necessário criar uma estrutura organizada para executar serviços. E, para isso, você pode buscar as parcerias jurídicas que te permitem atender mais áreas do direito e, consequentemente, mais pessoas. Além disso, as parcerias contribuem para a fidelização de clientes, para a segurança na execução das tarefas e promove a economia de tempo, enquanto não impacta no seu custo fixo.

Em alguns casos, os advogados podem trabalhar juntos em um mesmo caso e combinam a divisão dos honorários. E, em outros casos, existe a parceria por captação de clientes, na qual um escritório executa o trabalho e o outro recebe por ter conseguido o cliente.

Em geral, você pode buscar indicações em grupos no LinkedIn, no Facebook, no WhatsApp e também utilizar plataformas de conexão de advogados, como a Freelaw. Essas plataformas permitem a conexão de profissionais de acordo com a natureza da demanda e a especialidade do profissional. Além disso, possibilita a entrega de serviços melhores para os clientes, de forma mais ágil e com menos custos.

No que tange à melhoria dos serviços, a execução dos serviços é feita por um profissional especializado e revisada por uma equipe interna de advogados, de forma a fornecer ao cliente não apenas uma demanda jurídica, mas um conteúdo de extrema qualidade que poderá ser reutilizado como fonte de consulta e base para futuras demandas.

Outro ponto positivo é a diminuição dos efeitos negativos da sobrecarga de trabalho, permitindo o cumprimento dos prazos com eficiência e qualidade. Então, é possível criar uma equipe jurídica online sem aumentar a estrutura do seu negócio.

Erros comuns ao aderir ao home office para não cometer

Trabalhar como advogado home office requer muita organização. Alguns erros são frequentes e você precisa saber quais são para não correr riscos com eles:

  1. Não trabalhar com planilhas: crie uma planilha de métricas e objetivos para o seu escritório de advocacia e comece a analisar as métricas semanalmente, quinzenalmente e/ou mensalmente. Certifique-se de que os números estão sendo atualizados da forma correta;
  2. Não definir fluxos de trabalho: defina o fluxo de trabalho rotineiro do seu escritório de advocacia de uma forma visual. Em seguida, discuta com sua equipe pontos de melhoria neste fluxo e certifique-se de que os procedimentos otimizados serão seguidos no seu dia a dia;
  3. Assumir uma sobrecarga de trabalho: você pode delegar funções para outros advogados te auxiliarem, não precisa “abraçar o mundo”.
    – Entenda qual é o custo máximo que você pode ter com a delegação de cada ato jurídico;
    – Encontre profissionais de sua confiança e delegue serviços sob demanda em formato de teste para esses profissionais;
    – Aprenda com os testes e otimize a delegação de serviços;
    – Inclua a contratação de advogados sob demanda nos procedimentos internos do seu escritório de advocacia.

No episódio abaixo do Lawyer to Lawyer, o advogado Bruno de Carvalho Figueiredo cedeu uma entrevista sobre o tema que você precisa saber cada vez mais para trabalhar com eficiência: cumprimento de prazos. Confira!

Com um mercado cada vez mais competitivo, o advogado home office pode se destacar e se reinventar, criando técnicas na prestação de serviços que antes não era possíveis.

E você? Também aderiu a essa modalidade? Ou pensa nessa possibilidade?

Para te incentivar a ser uma advogado da inovação, separamos o mapa de conteúdos “Conquiste clientes na advocacia por meio da internet”, gratuito e exclusivo e gratuito para você receber no seu e-mail. Garanta o seu ao clicar no botão abaixo: