O que seu escritório de advocacia pode fazer para sobreviver em tempos de crise? A advocacia online pode ser uma opção.

Como é a rotina da advocacia online? O que você precisa de fazer para dar os primeiros passos para criar uma carreira digital? Como utilizar a tecnologia a seu favor para superar uma crise?

Como iniciar a produção de conteúdo na internet?

No episódio # do Laywer to Lawyer, o podcast da Freelaw, Gabriel Magalhães entrevista Mariana Gonçalves.

[rock-convert-pdf id=”82491″]

Mariana Gonçalves

É advogada atuante exclusivamente com Direito Imobiliário.

Escritório com sede em Belo Horizonte/MG, mas com clientes em todo o Brasil.

Além da advocacia, ajuda jovens advogados a enfrentarem os obstáculos de início de carreira com planejamento e boa gestão de escritórios de advocacia.

É palestrante e ministro cursos de Contratos e Documentação Imobiliária online e presencial em todo o Brasil, além de diversos outros cursos para jovens advogados que precisam gerir seus escritórios e carreiras jurídicas.

Autora e organizadora do Blog Mariana Gonçalves, blog voltado para os principais assuntos jurídicos do mercado imobiliário e Blog Minutos de Direito com conteúdos de carreira jurídica.

Gabriel Magalhães

É um dos fundadores da Freelaw e o Host do Lawyer to Lawyer. É bacharel em Direito pela Faculdade Milton Campos.  

Possui formação em Coaching Executivo Organizacional, pelo Instituto Opus e Leading Group.    

Formação em Mediação de Conflitos, pelo IMAB, e em Mediação Organizacional, pela Trigon e pelo Instituto Ecossocial. Certificações em Inbound Marketing, Inside Sales e Product Management pelo Hubspot, RD University, Universidade Rock Content, Gama Academy e Tera, respectivamente.      

Escute o episódio em seu player de áudio favorito e leia o resumo do episódio abaixo que conta com todas as referências citadas durante a gravação.  

Gabriel: Olá advogado, ola advogada, seja bem vindo e bem vinda a mais um Lawyer to Lawyer da Freelaw, eu sou o Gabriel Magalhães, eu estou hoje em isolamento social e você provavelmente também, estamos passando por uma das maiores crises de nossa história, um momento de muito medo por causa do coronavírus. 

Não está sendo nada fácil para mim, certamente nada fácil para você, muito menos para o Brasil e o resto do mundo. Desejo de verdade que você e sua família estejam bem.

No episódio #45, que foi gravado com um simbolismo muito grande, queríamos trazer para você um pouco de esperança em dias difíceis, por isso tive a honra e o prazer de trazer uma das convidadas mais inspiradoras que já tive a oportunidade de conversar até então. 

Ela é uma das maiores influenciadoras digitais do ramo jurídico no Brasil, tem um canal no youtube com mais de 125 mil inscritos, uma conta no instagram com mais de 60 mil seguidores, é especialista em direito imobiliário, bem como produz cursos e eventos para jovens advogados. 

Eu tive o prazer de entrevistar a Mariana Gonçalves, se você quer criar um escritório de advocacia digital, aproveitando a crise que estamos passando hoje para tecer a estratégia dele e trabalhar com marketing, produção de conteúdo e também melhorar a divisão de tarefas do escritório de advocacia, fique até o final que não vai se arrepender.

Olá Mariana, seja bem vinda ao Lawyer to Lawyer, é um prazer te receber aqui hoje, já te acompanhava no youtube há muito tempo, você é uma das maiores influenciadoras do mundo jurídico e é uma honra para a gente estar com você aqui hoje.

Mariana: Nossa, que legal. Não sabia que você me acompanhava assim há tanto tempo.  

Muito obrigada pelo troféu de uma das maiores influenciadoras, faço tudo sempre com muito carinho e dedicação, com o objetivo de auxiliar a vida dos jovens advogados que ousaram. 

Então espero contribuir realmente, obrigada pelo convite.

Como decidiu traçar sua carreira na advocacia online

Gabriel : Ô Mariana, a gente está em tempos difíceis na data gravação desse podcast, como falamos antes, por conta do coronavírus e das medidas necessárias de distanciamento social, você por outro lado sempre criou a carreira online, então já está acostumada com o trabalho home office, que está sendo um choque para vários advogados. 

Mas como é a sua rotina? 

Como você fez para criá-la e como está sendo esse momento para você, é diferente dos dias normais?

Mariana: Percebam só: eu e o Gabriel combinamos de gravar esse episódio para o podcast e o que acontece? 

Eu já tinha perguntado se poderíamos fazer online e nem sabíamos o que estaríamos enfrentando no dia de hoje, mas a minha preferência sempre é ir para o lado online, fazer as coisas à distância.

Porque acredito, já tem anos que penso dessa forma, que o auxílio da tecnologia faz com que a gente ganhe muito tempo, o qual podemos investir em outra coisa, seja em lazer com a família ou mais tempo dedicado ao trabalho. 

Logo, eu sempre percebi isso, mas não era esse o meu principal objetivo no início da minha atuação “super online”, na verdade o que eu precisava era de clientes.

Nesse contexto eu percebi que, na minha cidade, Itajaí em Santa Catarina, logo quando eu saí da faculdade e abri meu primeiro escritório, que não teria muitos clientes em Itajaí, por mais que eu já atuasse no mercado imobiliário há anos naquela região.

Eu tinha uma imobiliária que teve a atividade encerrada assim que concluí a graduação e deixei de ser corretora de imóveis.

Ou seja, vendi a minha imobiliária e pensei que iria bombar de clientes, já que era o único escritório da cidade trabalhando exclusivamente com direito imobiliário. 

Ocorre que as coisas não aconteceram como eu havia sonhado, eu não vou dizer nem planejado porque era realmente um sonho. 

Então tive que ir para a internet, criei despretensiosamente o blog Mariana Gonçalves, que é exclusivamente sobre Direito Imobiliário e eu escrevia nele resumos de coisas que eu queria estudar enquanto não apareciam clientes.

Já que eu tinha muito tempo livre e poucos clientes, comecei a escrever sobre assuntos que me pareciam importantes, podendo contribuir com várias pessoas (não advogados, a ideia do blog era ajudar realmente o público em geral, e depois percebi que esse era o meu público alvo). 

Dessa forma, aconteceu que o blog teve bastantes visualizações do Brasil inteiro e eu comecei a atender gente de todo o país, porque as pessoas liam o conteúdo, gostavam da forma como eu escrevia e me ligavam para uma consulta. 

Às vezes era uma pessoa de São Luiz do Maranhão, o que tornava economicamente inviável um atendimento presencial, por isso recorri à tecnologia para fazer atendimentos online.

Como eu sempre busquei atuar na área extrajudicial, a minha atuação fora de Santa Catarina era muito tranquila. 

Às vezes a pessoa só queria que eu fizesse ou analisasse um contrato de compra e venda de um imóvel, que eu minutasse a escritura de uma negociação um pouco mais complexa, então assim, era super viável fazer isso de qualquer lugar.

Foi assim que iniciou minha vida online.

Criação do Blog

Gabriel:  Acho interessante que você escolheu um nicho em que poderia estar de fato atuando online, que daria para estar pegando clientes em qualquer lugar do país, porque dependendo do nicho que o advogado escolhe ele acaba ficando muito preso em sua região de atuação, tendo em vista que tem muitas audiências e ritos processuais. 

Mas sobre o seu blog, como que você fez pra subir esse blog, contratou algum programador ou você já sabia marketing

Como que foi esse processo?

Mariana: Não, vou te falar bem o momento e como isso aconteceu. 

Eu estava dentro do meu escritório lá de Santa Catarina, que devia ter um mês de funcionamento e um total de zero clientes naquele momento e eu pensei assim: 

“Poxa, na faculdade eu não tive direito imobiliário, o mais próximo foi direito notarial e registral, matéria super importante para quem atua nessa área. 

Daí eu pensei: “eu tenho que estudar!”, já que quero bater no peito e falar que eu só atuava para imobiliário tinha que estudar. 

Dessa forma, a primeira matéria que eu queria muito estudar e entender como funcionava era Retificação de Registros Públicos e da forma extrajudicial.

Eu parei e estudei por uns dois dias, no final, como sempre tive o costume de escrever um resumo após estudar para uma prova como acadêmica, fiz também um resumo para essa matéria e ele ficou muito legal no meu ponto de vista, que já é diferente atualmente por estudei marketing e conheço mais sobre produção de conteúdo. 

Então eu pensei: “Ficou muito legal, não posso deixar guardado na minha gaveta, cogitei colocar no facebook mas era muito grande, Linkedin na época não era algo que eu soubesse mexer então não era uma possibilidade, além de que não podíamos publicar artigo, o Linkedin era como o Facebook. 

Por fim eu pensei na possibilidade do WordPress, entrei e olhei como funcionava, vi que se eu pagasse 90 reais eu conseguiria um template bonitinho e interessante para fazer  tipo um blog, então eu mesma com os 90 reais criei o blog, comprei um domínio que agora não vou lembrar exatamente quanto custou e meu blog se chama marianagoncalves.com.br.

Foi assim que ele surgiu, obviamente tudo sozinha, nenhum programador, que o WordPress tem essas possibilidades né.

É claro que eu dei uma pesquisada em outros blogs para ver o que eu achava legal e o que eu não achava legal.

Depois de anos contratei um programador para deixar com a cara que eu queria e depois de um tempo eu percebi novamente que não tava bom, mudei a plataforma do blog e hoje eu mesma cuido de todos os detalhes, inclusive de formatação nos dois blogs, inclusive no minuto de direito, eu que faço tudo.

Gabriel: Muito legal e assim, a gente tem até um artigo que é como criar um site jurídico, trazemos o WordPress e outras ferramentas sites gratuitos que você mesmo, colega advogado, pode criar sozinho ou sozinha, assim como a Mariana fez e não tem desculpa hoje.

Mariana : Não.

Gabriel: Pode começar a fazer e começar amanhã mesmo se vocês quiserem.

Mariana: Um site é algo indispensável, você ter um endereço na internet caso uma pessoa vá lhe buscar no google, você tem a oportunidade de se apresentar da forma como quer, já que se você não tiver esse endereço o google vai lhe apresentar para aquela pessoa e como o google vai te apresentar? 

Vão ser aquelas fotos super antigas de farra do facebook? 

Será que o cliente vai achar legal, ter uma primeira impressão de confiança e credibilidade? 

Não que você não possa fazer farra, não é isso, não estou querendo que o cliente pense que você é santo, mas como que vai ser essa primeira impressão? 

Quando você tem um site seu você vai mostrar para ele quem você é, o que você faz e como você faz aquilo. 

Então o site é indispensável, ainda que você não produza conteúdo, você não passa nada, mas você tem um endereço online onde você se apresenta.

Produção de conteúdo para o blog

Gabriel: Ok Mariana e uma coisa, você poderia falar para a gente como é o seu time de produção de conteúdo, como é sua rotina? 

É muito maçante? Consome quantas horas do seu dia?

Mariana: Hoje a minha produção de conteúdo é muito maçante, muito pesada, eu tenho colunistas no Minutos e no Mariana, mas todos os conteúdos são revisados e aprovados por mim.

Às vezes eu atuo com direito imobiliário mas não é toda a área do direito imobiliário que eu atuo, então as vezes preciso parar para estudar e ter certeza se aquela pessoa escreveu um conteúdo compatível com o que a norma impõe. 

E eu não tenho só os blogs, tenho o instagram que tem uma programação de conteúdo, um canal no Youtube, dois canais de podcast que é o Casal de Advogados com o meu marido e o As Advogadas que faço com a Débora advogada. 

Então é muito conteúdo todo mês para administrar essas plataformas, me consome muito tempo, mas eu tenho uma funcionária que fica comigo justamente por conta disso. 

Ah, tem o Telegram também, um grupo com mais de seis mil advogados falando sobre gestão e planejamento de carreira. 

Logo, é o tempo todo em todas essas plataformas, eu devo gastar uma média de 2 horas por dia para produzir conteúdo em todas essas plataformas, uma boa parte do fim de semana.

Gabriel: E assim, a medida do início também era isso ou era mais ou menos tempo?

Mariana: Não, no início era bem menos tempo porque eu só tinha o blog Mariana Gonçalves e publicava lá uma vez a cada duas semanas e, posteriormente, uma vez por semana. 

Hoje em dia são três  programas, três publicações semanais no Minutos, duas publicações semanais no Mariana, além das outras plataformas, um vídeo por semana no Youtube, um vídeo por semana no IGTV.

Enfim, tem muito conteúdo, de cabeça é até difícil, pois eu controlo todas as publicações por uma planilha.

Como otimizar seu tempo de trabalho

Gabriel: Como você consegue tempo para tudo isso? 

Todos os advogados e advogadas que eu converso querem fazer o mesmo, produzir mais conteúdo, mas poucos conseguem de fato o tempo para isso.

Porque têm que fazer a petição da audiência, atender clientes, a rotina da advocacia é difícil, como conciliar isso?

Mariana: Então, percebe, por quê você quer produzir conteúdo? 

Se a resposta for eu quero produzir conteúdo porque eu quero conseguir mais clientes, quando a pessoa me responde dessa forma eu entendo que ela não tem cliente suficiente e, devido a isso, ela tem tempo. 

Ou você não tem tempo e quer mais cliente, vai enfiar ele em que momento do seu dia? 

Então o primeiro ponto, se é para conseguir mais cliente é porque você tem tempo no seu dia a dia. 

É uma questão de prioridade, muita gente me pergunta como eu dou conta de produzir estudo, isso é uma prioridade, pois eu deixo de lado ficar tantas horas nas redes sociais, estar em dia com as séries da Netflix e outras coisas que são legais, que eu gosto, mas não são uma prioridade na minha vida. 

Então elas vão acontecer, mas em outros momentos, em que eu estiver em dia com tudo que é importante, por isso eu penso que é muito uma questão de prioridade, sabe?

E se você quer substituir cliente, enfim, você vai ter que dar um basta nesses clientes para conseguir esse espaço na agenda, acho que é tudo disciplina, a produção de conteúdo no começo é muito demorada até você pegar o jeito. 

Como eu falei, no meu primeiro post demorei dois dias estudando, depois montei um resumo e só após isso passei para o blog e publiquei. 

Ou seja, foram praticamente três dias para produzir um conteúdo, enquanto hoje em dia eu produzo um conteúdo em torno de meia hora e quarenta minutos.

Você vai pegando o jeito, entendendo o que realmente é importante.

Logo quando a gente sai da faculdade é muito difícil de produzir conteúdo, porque saímos de lá acostumados e treinados a fazer petição inicial, contestação, mas não produção de conteúdo para captação de clientes, a qual é muito mais simples que uma peça ou artigo científico. 

É importante, inclusive, que você tome cuidado, pois se você escreve uma produção de conteúdo para atingir um cliente e a redige como se estivesse falando com um juiz, a pessoa não vai ler o que você escreveu e eu não acredito que você queira dedicar minutos do seu dia, da sua semana, para que ninguém sequer leia o conteúdo ou para que ele só atinja um público que não vai te contratar. 

Dessa forma, escrever difícil, como se você estivesse escrevendo para um juiz, digamos assim, é escrever para advogados e esses colegas não te contratarão, pois já são advogados. 

Seu contato com eles vai ser para compartilhar informações, por exemplo, o que é legal também. 

Mas se o seu objetivo é conseguir clientes e aumentar a sua carteira, você precisará escrever da forma como esse cliente vai gostar de ler e, consequentemente, entender.

Como lidar com os perigos econômicos do novo coronavírus 

Gabriel: Dessa sua fala, fico pensando muito assim, considerando que vários advogados enviaram mensagens para a gente nas últimas semanas preocupados por conta da crise que está vindo junto com o coronavírus e, de fato, falaram assim: 

“O que a gente faz? O Brasil vai parar? o CNJ suspendeu os prazos, o que vou fazer nas próximas  semanas?”. 

O que eu percebo aqui é que grande parte dos advogados e advogadas estão esquecendo também das outras várias atividades estratégicas que podem ser feitas tanto nesse período quanto no período normal, por exemplo a produção de conteúdo.

Algo que poderia estar sendo feito agora é organizar o planejamento estratégico, pensar em ferramentas digitais para ajudar, utilizar ferramentas de produtividade, acho que tem um  mundo todo ali, mas muitas vezes os advogados não enxergam seus escritórios como negócios, se enxergam exclusivamente como advogados.

Mariana: Sim, é verdade, tem muita coisa para fazer nesse período. 

Tem muita coisa para analisar e algo que é muito importante falar é que o dinheiro, com essa crise do coronavírus, ele não some junto, mas para de circular e às vezes muda de mão. 

Mas ele continua no bolso de quem tinha há uma semana atrás, então, qual a sua estratégia para alcançar essas pessoas em um momento assim? 

É um momento que eu espero nunca mais passar enquanto estiver viva, mas o isolamento é um momento único e que, por mais triste que seja, precisamos aproveitá-lo de forma inteligente. 

O que eu posso mudar na minha advocacia? Será que realmente tenho que me limitar às fronteiras da minha cidade? 

Será que é uma atuação consultiva neste momento não é interessante?

Quantos advogados da área trabalhista, hoje, poderiam estar produzindo conteúdo e prestando consultoria online para diversos pequenos e médios empresários pelo Brasil?

São pessoas que estão aflitas, que não sabem se ficarão parados por um mês, dois meses ou quarenta dias, não sabem o que fazer com seus funcionários, se podem ou não dar férias coletivas, reduzir o trabalho ou o salário. 

São vários dilemas que os empresários estão enfrentando e não sabem a resposta.

E às vezes o advogado tá achando que a única forma dele ganhar dinheiro é esperando o empregado ou empregador bater na porta dele para contratá-lo para uma demanda.

Então a parte consultiva pode acontecer nesse momento, o CNJ suspendeu tudo, mas as pessoas continuam tendo relações, que gerarão litígios e conflitos, por isso a consulta jurídica não está suspensa.

Gabriel: Isso, eu me lembro muito bem do livro do Nassim Taleb: “O anti frágil”, é um livro bem famoso e várias pessoas estão citando-o nesse tempo.

Ele trata das crises e traz conceitos para que as empresas sejam anti frágeis diante de uma crise.

Ou seja, essas crises são inevitáveis, de tempos em tempos irão acontecer, mas o que a gente pode fazer para aproveitar ao máximo o benefício que é gerado delas? 

Então se estamos enclausurados agora, talvez isso seja um bom momento para o mundo jurídico, para que todo mundo aprenda como trabalhar online.

Da mesma forma que a gente aprenda a captar clientes online, por mais que seja um cenário muito ruim, existem algumas coisas boas que você pode aproveitar ao invés de ficar reclamando, pois na minha visão podemos reclamar a vida inteira que isso não vai mudar em nada o cenário.

Mariana:  Para a maior parte das pessoas que vêm me procurar eu falo assim: “Nossa, eu tenho curso para produção de conteúdo jurídico para internet.” 

E boa parte delas afirmam que não têm tempo e eu respondo que é falta de prioridade, porque não é possível que a pessoa não consiga dedicar quinze ou trinta minutos do dia dela para algo que vai ser importante para a sua própria carreira. 

Mas, enfim, é falta de prioridade no meu ponto de vista.

Ocorre que, se você for atrás dessas pessoas nesse momento não está fazendo nada e também não está conseguindo se dedicar, sei que muitos ficam emocionalmente abalados com isso, não conseguem focar da mesma forma. 

Eu acho que nesses dias é super natural a pessoa passar por uma situação de queda na produtividade, até porque muitos não estão acostumados com home office.

Mas enfim, muitos estavam reclamando da falta de tempo e hoje com tempo ainda assim não fizeram. 

Por isso, muitas vezes falta ousadia e coragem para dar esse primeiro passo, o start na produção de conteúdo e a busca do que querem. 

Mas também existem aqueles que não sabem o que querem, se é um escritório online ou padrão, não sabe a área de atuação que quer, se quer judicial ou extrajudicial, espera que o vento leve e seja o que Deus quiser, né?

Como organizar a sua rotina de Home Office

Gabriel: E eu acho que nesses momentos, em que fomos obrigados a pausar, não tem motivo para não pensar nisso, pode ser algo útil. 

Bom, você começou a falar de home office agora e eu queria saber como você se organiza, como gerencia o seu escritório online, quais ferramentas você utiliza, você tem rituais com sua equipe? Como é mais ou menos?

Mariana: Bom, o meu escritório hoje não é verdadeiramente online, eu tenho um escritório padrão em um prédio comercial em Belo Horizonte, que tem secretária, mesa, normal, como o padrão dos escritórios. 

Mas eu sou uma advogada que tem atuação online por conta de todos esses anos publicando assunto sobre Direito Imobiliário, trabalhando com redes sociais gerando conteúdo e valor. 

Por isso, eu acabo sendo procurada por pessoas de todos os lugares do Brasil, hoje, dentro do meu escritório, falando neste caso sobre o padrão que é o Rezende & Gonçalves, que fica aqui em Belo Horizonte e atua exclusivamente com o Direito Imobiliário.

Os clientes da advogada Mariana Gonçalves, 80% não são de BH, tenho clientes em Santa Catarina, São Paulo, maranhão, Salvador, ou seja, eu atuo em diversos estados além de Minas Gerais por conta da minha atuação, mas eu tenho o meu escritório padrão.

Então assim, eu sou a advogada sócia que cuida da gestão do escritório, então sou eu quem cuido do financeiro do financeiro, quem delega clientes e atividades para os outros advogados. 

Minha rotina funciona muito bem em qualquer lugar, estando com um computador, um iPad ou meu celular na mão em um cantinho que eu consigo trabalhar, sabe? 

Eu não preciso de uma estrutura estupidamente bem organizada para ser eficiente, produzir o tanto que eu preciso, mas eu tenho um espaço em casa para trabalhar, geralmente meu início de manhã eu dou conta das coisas da internet, cuido do que vai ao ar, reviso, faço atendimentos, enquanto de tarde vou para o escritório e lá continuo a minha atuação.

Meus atendimentos hoje são quase todos virtuais, então geralmente as pessoas entram em contato com a recepção do meu escritório mesmo, já que a pessoa me procura por internet ou e-mail e eu encaminho para a recepção, aí a minha secretária agenda, faz a cobrança antecipada por TED ou boleto e, posteriormente, já com o horário marcado, eu entro numa sala de reunião online e faço o atendimento.

Gabriel: Vocês usam algum aplicativo, alguma ferramenta digital para fazer a gestão da equipe? 

E assim, vários advogados estão perguntando para a gente aqui na Freelaw nos últimos dias  é como garantir que de fato os advogados estão trabalhando nesse período online? 

Dado que eu não estou vendo, como sei se ele está produzindo mesmo ou apenas enrolando?

Mariana: Nossa, a pessoa que falou isso, de verdade, eu mudaria a equipe, se ela não está confiando na capacidade de quem trabalha com ela não vai dar certo, não vai rolar. 

Eu confio muito muito muito em todo mundo que trabalha comigo, desde a moça que está me ajudando com a manutenção do escritório até a advogada associada que atende os meus clientes, então o primeiro ponto é confiar.

Eu tenho um software jurídico onde eu consigo acompanhar o que está acontecendo, o que cada pessoa está fazendo, concluindo ou atrasando. 

É claro que agora, de verdade, não tem muito o que cobrar dos meus funcionários. Mas eu entrego.

Hoje por exemplo chegou um contrato de compra e venda e esse serviço eu mesma estou fazendo, mas chegou a analise de uma elaboração de convenção de condomínio de um prédio de Santa Catarina e eu encaminhei para a advogada associada. 

Eu sei quanto tempo ela vai demorar para fazer isso, não é a primeira vez que ela vai fazer isso, se ela demorar um pouco mais tudo bem, porque estamos diante de uma situação nova, mas eu conheço a minha equipe.

Eu optei, desde sempre, em não ter um escritório gigantesco, como uma firma de advogados e vários estagiários, essa nunca foi uma opção para mim pois eu nunca gostei, sempre me propus – desde a graduação – a construir um escritório que atuasse de forma artesanal.

Ou seja, todo cliente chega no escritório e é atendido por um sócio, ele não é tratado como um número, não recebe o modelo de petição ou de um contrato. 

Eu sento, elaboro, converso, conheço o cliente, ele vai ter meu número pessoal, pode mandar WhatsApp, pode me ligar fora do horário comercial, porque a gente atua dessa forma, sempre quisemos entregar esse serviço. 

Para continuar entregando esse serviço não posso ter dez advogados associados no meu escritório, pois eu perderia essa essência. 

Por minha equipe ser pequena eu só consigo atuar dessa forma, no entanto, uma equipe grande precisa de um excelente software de gestão, do que cada um está fazendo e entregando, bem como alguém que fique de verdade tomando conta apenas desses resultados, tendo em vista que não tem como advogar e cuidar do que os outros dez, quinze, vinte advogados estão fazendo, você não vai dar conta não.

Gabriel: Bom, primeiro você precisa ter clareza do que você quer e não quer para o seu escritório e, a partir disso, você molda o modelo de gestão que precisa. 

Você disse hoje que é a responsável pelo controle financeiro do escritório e também pela Gestão, certo?

Mariana: Sim, isso, os meus sócios ficam exclusivamente com a parte de atendimento ao cliente, não ficam com nada da parte de gestão.

Gestão para advogados

Gabriel: E assim, vários advogados e advogadas têm até arrepios quando se fala em gestão, principalmente na parte financeira, então como foi, desde o início, para você aprender? 

O que você teve que aprender? 

Como foi essa curva de aprendizado? 

Você tem alguma dica prática para os colegas que estão estudando sobre esses temas?

Mariana: Sim. Antes de abrir o escritório eu já tinha tido uma empresa, a imobiliária, e eu aprendi muito nas tentativas e nos erros com a imobiliária. 

Como gerir a imobiliária, já que ela não é uma loja de roupas que você vende uma blusa e já rende dinheiro, nesse caso envolve a busca por clientes e o tempo para receber os honorários, então esses altos e baixos do mundo jurídico também acontecem dentro de uma imobiliária.

Eu aprendi muito lá, venho de uma família que na época se chamava comerciantes, hoje a gente fala empresários, mas meu pai e avô tinham lojas de tintas e eu aprendi muita coisa vendo como eles faziam. 

Hoje eu estou finalizando a minha MBA de gestão, finanças e geração de valores, aprendi muita coisa, mas também tenho a bagagem os negócios e erros que já tive. 

Então Gabriel, quando a gente começa pequeno e vai tentando pensar nas possibilidades.

Eu também preciso dar sugestão para o pessoal né, já que realmente na faculdade nenhum professor fala sobre o fluxo de caixa ou das várias questões indispensáveis para quem quer ter um negócio.

Como a gente conversou, um escritório de advocacia é uma empresa, precisa ser administrado, pois vai muito além da elaboração de petições. 

Para saber um pouco mais sobre isso, eu compartilho muito sobre isso num grupo que tenho no Telegram com advogados que se interessam pelo assunto, lá falamos sobre planilhas de controle de clientes, de controle de finanças, de como divulgar seu negócio, sites, etc. 

Enfim, se você que está aí um pouco perdido e quer conteúdos direcionados por essa área, sugiro entrar nesse meu grupo do Telegram, o link está disponível no meu instagram e nos blogs, eu espalho esse link por todos os lugares.

Gabriel: Eu queria muito agradecer a sua presença, acho que abordamos vários tópicos, desde a aquisição de clientes à prática da advocacia nesses tempos difíceis. 

O episódio em tempos tristes, um dia triste hoje, nas últimas semanas está difícil de adquirir notícias boas, mas é sempre bom ter essas conversas para dar alguma esperança para os advogados e advogadas que estão nos ouvindo. 

Eu acho que tem muita coisa para trabalhar nesse tempo e Mariana já trouxe várias coisas que podem ser feitas, e como o setor jurídico vai ser afetado pela crise, na verdade o Brasil inteiro.

É importante saber que quando a crise acabar teremos muitas demandas judiciais, muitos problemas surgirão por aí, o Direito está no rol dos serviços essenciais para a justiça e para a população. 

Talvez quem vai sofrer muito mais vai ser quem, por exemplo, vende roupas e outros bens que não são essenciais.

Mariana: Exatamente, concordo.

Considerações finais

Gabriel: Você tem algum recado final?

Mariana: Bom, de verdade, não sabemos quanto tempo isso vai durar, se você está ouvindo esse episódio depois que tudo isso já passou e pensa: “Nossa, ainda bem que isso tudo passou”. 

Independente de qual momento da vida você esteja, eu te desejo muita disciplina para dar prioridade ao que realmente importa para a sua vida, minha sugestão é que, nesses momentos de reflexão, você sente e coloque em ordem crescente quais são as suas prioridades. 

A sua família, o seu companheiro ou companheira, seus estudos, sua profissão, seus sonhos, enfim, coloque essas questões em ordem e depois disso você pode ter certeza de que todas as decisões que for tomar na vida ficarão mais fáceis depois de olhar essa lista. 

Vai ser muito mais fácil dizer um sim ou um não, levantar da cama ou do sofá quando a preguiça pegar, pois você tem realmente uma ordem de prioridades e objetivos, as coisas ficam mais claras dessa maneira. 

Por isso eu te desejo muita disciplina para enfrentar esses momentos todos e alcançar seus objetivos.

Gabriel: Muito obrigada, Mariana. Não existe nenhuma dúvida que você é uma pessoa muito especial, que está fazendo um trabalho muito bonito para as advogadas e advogados. 

Acho que o Brasil precisa de mais pessoas como você para falar sobre esses temas, o momento é difícil e precisamos ainda mais dessas reflexões sobre inovação e de saber novas formas de aquisição de clientes para que consigamos superar esse momento difícil.

Mariana: Muito obrigada, de verdade, pelo convite, Gabriel.

Gabriel: Eu agradeço também aos colegas advogados e advogadas pela presença, na próxima quarta-feira a gente volta com mais um convidado especial. Até mais.

Mariana: Até mais.